quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 5

- Captain America Comics 1 (Março de 1941)

História:

"The Riddle of the Red Skull" - Escrita por Ed Herron, ilustrada por Jack Kirby e Joe Simon

No Brasil, foi publicada na edição Capitão América - As Primeiras Histórias, pela Editora Abril, em Julho de 1992, sob o título de "O Enigma do Caveira Vermelha"


O recruta Rogers leva Major Croy de carro e estaciona na Broadway. O major parece despreocupado com a mensagem que recebeu, através de um cartão, de alguém que diz se chamar Caveira Vermelha. Para o major, tudo não passou de um trote. Apesar de temer pela segurança de seu superior, Rogers o obedece e é dispensado. Bucky concorda com o major, afinal, ninguém nunca viu o tal do Caveira Vermelha. Mas Rogers sente que algo irá acontecer.

De fato, mais tarde o corpo inerte do major é encontrado em sua própria casa, sem vida. Algo que Rogers já tinha a impressão de que iria ocorrer, conforme relatara a polícia, que não tinha a menor pista de quem seria o assassino. O rosto do major morto era perturbador. Seu olhar vazia, refletia que vira algo diabólico antes de partir.

Diante da polícia, Rogers diz a Bucky que está na hora de dormir. Quando somem da vista do policial, vestem respectivamente seus uniformes de Capitão América e Bucky. O herói parte para caçar Caveiras e ordena que Bucky fique no local, de vigília.

Horas depois, o Capitão América consegue encontrar e invadir o esconderijo do Caveira Vermelha e, para sua surpresa (ou não), Bucky o desobedeceu. Seu parceiro está em poder dos criminosos, provavelmente por ter descoberto, também, o esconderijo e ter sido capturado ao tentar enfrentá-los. Os heróis enfrentam os capangas do vilão, mas isso lhes toma tempo o suficiente para que o Caveira fuja. Tarde demais para persegui-lo, só lhes resta voltar para a base.

No outro dia, o Capitão América volta a ser o recruta Steve Rogers, do exército americano. Há certa agitação diferente na base. Steve sabe apenas que se trata sobre algo relacionado a testes de aviões. O sargento apresenta ao pelotão o Sr. Maxon, da Cia. Aeronáutica Maxon, que veio ver seu novo avião ser testado. Durante o teste, o avião começa a pegar fogo em pleno ar. Como um cometa flamejante, o enorme bombardeio mergulha em direção à terra. Uma vez mais, a sabotagem atinge o coração da América. Steve fica indignado com a atitude de Maxon diante do acidente, que se preocupa com o seu "lindo avião", pouco demonstrando pesar pelos homens que morreram nele. Ao se pronunciar sobre isso, Rogers é advertido pelo sargento. Secretamente, ele e Bucky decidem investigar com suas identidade heroicas.

As investigações do Capitão América o levam até a residência do General Manor, que acaba de ser vítima do ataque do Caveira Vermelha. Quando o herói lá chega, encontra a esposa do general sendo atacada pelo vilão, após esse assassinar seu marido. O herói se surpreende pelo Caveira se recuperar tão rápido após um de seus golpes. Pior que isso, o vilão consegue golpeá-lo com uma cadeira, desacordando-o. Quando o Caveira força o herói a olhar em seus olhos, o que geralmente é seu antecede seu golpe fatal, Bucky, que aparece em cena, ataca. Lentamente, o Capitão América desperta, se recupera, e acerta um fortíssimo soco que destrói a máscara do caveira e o derruba. Por trás da máscara... está o Sr. Maxon, da Aeronáutica Maxon. Bucky encontra um seringa no chão, que o Capitão julga ser o tal "Olhar da Morte" do Caveira Vermelha. O truque era deixar as vítimas apavoradas e então injetar nelas aquele veneno, fazendo parecer que seu olhar as matou. O herói alerta o Caveira que, apesar de seus crimes, ele jamais derrubará o país. O vilão tenta pegar sua seringa, derrubando-a novamente. Bucky tenta impedir e, durante a luta, Maxon acaba rolando sobre a própria seringa... o que, na verdade, era a intenção do vilão para que não ficassem com aquela prova. Bucky se pergunta por que o Capitão América não o tentou impedir, mas o herói prefere não falar sobre isso. O Capitão liga para o FBI, informando que o General Manor está morto... e também o seu assassino, o Caveira Vermelha, que cometeu suicídio. Os heróis fizeram sua parte. Depois, os agentes do FBI examinam o corpo do Caveira Vermelha e encontrar um bilhete que explica o motivo de um fabricante de aviões se meter em espionagem. Um bilhete, aparentemente escrito por Hitler, prometendo-lhe o posto de ministro de toda a indústria americana, assim que os EUA fosse parte do grande Reich.

Assim termina a carreira sangrenta de George Maxon... o Caveira Vermelha! De volta ao campo... Steve Rogers e Bucky descansam em sua barraca. Mas o trabalho do Capitão América nunca termina, pois é preciso combater os inimigos do país.

A+:

* ... E o Caveira Vermelha morreu... só que não! O Caveira Vermelha que aparece nessa edição foi posteriormente identificado como "outro Caveira Vermelha" que não é o mesmo que conhecemos hoje. O Caveira Vermelha atual tem como identidade civil Johann Schmidt que, oficialmente, só faria sua primeira aparição algumas edições depois dessa. A mitologia Marvel reformulou essa aparição como se Schmidt estivesse ciente do outro Caveira Vermelha e ainda agisse nos bastidores como suporte. Esse tipo de evento é comum nos quadrinhos e está relacionado ao sucesso inesperado de determinado personagem. No caso do Caveira, de fato a história original foi escrita sem a pretensão de continuidade, por isso a morte do vilão (apesar de um "plano" para trazer a ameaça novamente na terceira edição da revista do Capitão). Mas o sucesso do personagem entre os leitores impulsionou a decisão da volta do mesmo e a consequente desculpa para o fazê-lo.

* Quem diria que um vilão tão icônico como o Caveira Vermelha iria nascer de um... sundae de baunilha com calda de chocolate???? Pois foi exatamente isso que inspirou Joe Simon a criar o vilão. Mas... Qual seria a relação? Acontece que a mente do escritor estava pipocando de ideias para novos heróis e vilões. Um dia, logo após o almoço, ele pediu o abençoado sundae. Com a mente divagando em suas fantasias para quadrinhos, Simon olhou para a calda de chocolate escorrendo pelo sorvete de baunilha e a forma dela se assemelhava a um corpo. Logo lhe veio à mente de criar o vilão... Hot Fudge (algo como... hã... mousse de chocolate derretido). Pelo nome bizarro, seria mais um daqueles vilões disformes comuns na época. Porém, outro detalhe lhe chamou a atenção (ou o sundae lhe chamou a atenção... nessa altura do "viagem", vale tudo): uma brilhosa e vermelha cereja em cima do sundae parecia ser a cabeça do personagem. Uma espécie de... caveira vermelha!!!! E foi assim que nasceu o vilão mais "doce" do Universo Marvel.

* As histórias do Capitão América, ao contrário do que alguns podem pensar, não enalteciam cegamente a América (apesar das intenções de propaganda militar). Pelo contrário, serviam muitas vezes para que os autores criticassem o modo de vida americano e até mesmo a política governamental (ao qual o personagem, teoricamente, seria subordinado). Apesar de isso ser mais acentuado com o seu ressurgimento, na década de 1960, na Era de Ouro, de uma forma ou outra esse estilo também estava presente. O próprio Caveira Vermelha tem como plano principal roubar bancos não apenas para "arrecadar" dinheiro para sua causa mas, segundo suas palavras, "... o principal item para a derrubada de um governo é o dinheiro."

* O escritor (France) Ed Herron, co-criador do Caveira Vermelha, criaria anos depois, para a editora Fawcett, o Capitão Marvel Jr, parceiro do Capitão Marvel (Shazam). Ainda dentro da Fawcett, em uma história do personagem Mr. Scarlet, Herron criaria o termo Gotham City, anos antes da DC utilizá-lo nas histórias do Batman.


Quer ajudar com este projeto? Visite a Sala de Perigo: www.saladeperigo.com.br