terça-feira, 27 de novembro de 2018

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 1

- Captain America Comics 1 (Março de 1941)

Histórias:

"Meet Captain America" - Escrita por Joe Simon, desenhada por Jack Kirby, arte finalizada por Al Liederman

> Publicada no Brasil em Capitão América - As Primeiras Histórias, pela editora Abril em Julho de 1992 (com o título "Conheça o Capitão América"); em Coleção Histórica Marvel 01, pela editora Panini em Abril de 2012 (título idem)


Dentro de um laboratório secreto do exército americano, uma porta lateral se abre. Um jovem franzino entra. Ele alistou-se no exército e foi recusado por suas condições físicas. Sua oportunidade de servir aos Estados Unidos parecia perdida. Agora, está prestes a se tornar um dos salvadores do país. Calmamente, o rapaz se deixa inocular com um estranho líquido, enquanto tanto o cientista responsável quanto militares, testemunhas do experimento, observam a reação através de um vidro, espantadas. O soro injetado em seu sangue desenvolve rapidamente os tecidos, elevando sua estatura e inteligência a um nível espantoso.

O rapaz começa a mudar. Tudo indica que o experimento deu certo. Um grande poder corre através de seus músculos. Milhões de células formam numa rapidez incrível! Finalmente, o cientista vê o coroamento de anos de trabalho: o primeiro de um exército de superagentes física e mentalmente capazes de aterrorizar espiões e sabotadores. Seu nome será... Capitão América! Com ele, a América ganhará força para se proteger.

Mas a mão inimiga alcança as fileiras dos altos oficiais dos EUA que testemunham do outro lado do vidro: um dos presentes pertence à Gestapo e pretende que aquele experimento jamais chegue ao final. O agente espião dispara contra o vidro, espatifando-o, e o projétil atinge o cientista, conhecido como Professor Reinstein. A arma do espião volta a disparar antes que o grupo se recupere da surpresa... e o frasco que contém o valioso soro se quebra em mil pedaços.

Descoberto, o traidor volta-se contra o furioso grupo da sala de observação. Súbito, os olhos do agente inimigo se arregalam de horror: uma terrível vingança salta sobre ele na forma do jovem que foi apelidado de Capitão América, que o arranca furiosamente da sala. Enlouquecido pelo medo e pela dor, o espião tropeça no equipamento do laboratório, num esforço frenético para escapar. Ele se enrosca em bobinas de fios que fazem um milhão de volts atravessarem seu corpo, fazendo com que sobrem apenas suas cinzas. O Capitão América acha um destino merecido para o traidor.

Embora o soro tenha sido destruído, sua primeira criação, o Capitão América, torna-se uma poderosa força na luta contra espiões e sabotadores. A nação se pergunta: Quem é o Capitão América? Todo um país se emociona com seus feitos ousados. Seu nome se torna símbolo de coragem para milhões de americanos... e sinônimo de terror no mundo dos espiões.

No Campo Lehigh, do exército dos Estado Unidos, o garoto Bucky Barnes, mascote do regimento, se aproxima do novo recruta Steve Rogers. O menino, entusiasmado, mostra as novas notícias sobre como o Capitão América conseguiu vencer de novo. Bucky gostaria de conhecê-lo pessoalmente. Gostaria até mesmo de ser como ele. Steve apenas observa calmamente e alimenta os sonhos do jovem, dizendo que talvez isso seja possível.

Na mesma noite, visitando a tenda de Steve, Bucky faz um incrível descoberta: vê o novo recruta com o conhecido uniforme. Steve Rogers é o Capitão América! Apesar de o garoto merecer umas palmadas por ter descoberto o segredo, Steve decide que, de agora em diante, eles dividirão o segredo. Ou seja, Bucky será seu parceiro.

E assim, o sonho de Bucky é realizado. Ele se une ao Capitão América para combater os elementos malignos que tentam derrubar o governo americano.

A+:

* O Capitão América surgiu com toda a pompa e circunstância do patriotismo americano: em uma revista de 50 páginas no qual o personagem ocupava a maior parte das páginas (algo digno de destaque) com quatro histórias completas e até com direito a socar o próprio Hitler logo na capa (apesar disso não acontecer nas páginas internas... apenas simbolicamente). Finalizavam a edição duas histórias com outros personagens: o herói velocista Hurricane e Tuk, o Menino das Cavernas.

* A história foi publicada pela então editora Timely, um dos nomes de empresas utilizados pelo empresário Martin Goodman, que futuramente seria conhecida como Marvel.

* Joe Simon tinha 28 anos de idade quando criou o personagem. O desenhista, Jack Kirby, 24.

* No final da década de 30, o empresário Martin Goodman viu o crescente sucesso dos quadrinhos e decidiu investir cada vez mais. Para isso, chamou Joe Simon para se tornar o primeiro editor da recém-formada Timely, empresa que, futuramente, seria conhecida como Marvel. Joe Simon, por sua vez, chamou também conhecidos para sua equipe como Jack Kirby e Syd Shores (que se tornariam nomes importantes do mundo dos quadrinhos depois).


* A coleção de carrinhos em miniatura Hot Wheels lançou uma edição especial e temática do Capitão América. Uma das peças era em homenagem a essa primeira história e trazia um Ford Coupe Amarelo da década de 1940.

* Uma vez que os Estados Unidos estavam sendo atacados por espiões e não conseguiam antever os ataques, o presidente Franklin Roosevelt jocosamente pergunta se eles teriam que esperar por um personagem vindo das histórias em quadrinhos, citando, como exemplo, o Tocha Humana (também da Timely). Um personagem de quadrinhos tratando outro personagem de quadrinhos como se fosse ficção.

* O escudo do Capitão América, ao contrário do que se conhece hoje, e pelo menos durante essa edição, era triangular.

* O nome do presidente americano não é explicitado na história, mas suas feições não deixavam dúvida de que realmente se tratava de Roosevelt. Não tão popular quanto, era o chefe do FBI, chamado pelo presidente de J. Arthur Grove, uma brincadeira com o nome do famoso diretor do FBI na vida real: J. Edgar Hoover.

* Segundo o próprio Joe Simon, o personagem se chamaria Superamericano nos esboços iniciais. Mas, como já havia "supers" demais fazendo sucesso nos quadrinhos (reflexos do sucesso de Superman desde 1938), decidiu mudar até chegar a Capitão América.

* Bucky foi nomeado assim mesmo, sem sobrenome, em homenagem ao amigo Bucky Pierson, astro do basquete na escola onde Joe Simon estudava.

* Martin Goodman queria urgência na publicação das histórias do Capitão América. Tanta que era necessário chamar mais artistas para a equipe criativa. Joe Simon, então nomeado editor das publicações, até tinha em vista dois jovens de Connecticut, Al Avison e Al Gabriele, para finalizar o traço de Kirby (quem sabe, até mesmo ajudar na arte em si). Mas, surpreendentemente, Kirby se mostrou chateado. Era como se ele não desse conta do recado (bem... teoricamente, qualquer editor saberia que era muito trabalho em pouco tempo para um artista só). Kirby insistiu e tocar tudo sozinho... e, de fato, conseguiu entregar no prazo, sem uma equipe tão grande, contando com a arte-final de outro "Al", Al Liederman.

* Apesar da capa provocativa, com o herói socando Hitler, vale lembrar que a revista foi lançada mesmo em Dezembro de 1940, ou seja, um ano antes dos Estados Unidos entrarem na Segunda Grande Guerra. Não havia uma unanimidade opinativa quanto ao que vinha acontecendo na Europa mas Simon e Kirby utilizaram o personagem como que para expressar suas opiniões a respeito. E apesar da maioria dos leitores apoiarem o sucesso da nova revista, havia sim quem era favorável ao que Hitler fazia. Desses, os artistas chegaram a receber ameaças, chegando ao ponto do escritório da editora ter muitos suspeitos esperando por eles e ser necessária proteção policial, disponibilizada pelo próprio prefeito de Nova York, Fiorello La Guardia.

* Simon e Kirby ficaram até a décima edição da revista. Depois do sucesso da primeira edição (chegando a vender quase um milhão de cópias!), Joe Simon, editor, pediu a Kirby que se tornasse o diretor de arte da empresa. A revista manteve seu sucesso de vendas mesmo depois de sua estreia, superando até mesmo a tiragem de revistas periódicas famosas, como a Time Magazine.

* Antes de Capitão América, Kirby colaborou para a revista do Capitão Marvel (Shazam) da Fawcett Comics.

* A negociação inicial de Joe Simon para produzir a revista era 25% do lucro de suas vendas. No entanto, Joe Simon afirmava que não estavam recebendo o acordado.


Quer ajudar com este projeto? Visite a Sala de Perigo: www.saladeperigo.com.br

Nenhum comentário: