domingo, 19 de agosto de 2018

GIBITECA ÂMAGO Parte 04: DETECTIVE COMICS 06 ( Junho a Outubro de 1937 ) SLAM BRADLEY

A revista Detective Comics ficou conhecida por ter sido a publicação onde não só surgiu o Batman, como também de ter sido o título mais longevo do qual o personagem protagonizaria. Mas isso só aconteceu lá pela vigésima sétima edição. Antes de Batman... ou melhor... até mesmo antes de Superman, havia Slam Bradley.

Aventureiro turrão, com ar de galã, que resolvia a maioria dos problemas com os punhos. Tinha como parceiro um homem baixinho e caricato apelidado de Mindinho (caricato a ponto de seu visual ter os traços mais cômicos, em contraste com os traços mais realistas dos outros personagens das histórias de Bradley).

O personagem é uma criação do major Malcolm Wheeler-Nicholson e encomendado para uma jovem dupla muito peculiar: o escritor Jerry Siegel e o desenhista Joe Shuster, ninguém menos que os criadores do Superman... antes de o Superman ser publicado da forma como o conhecemos hoje. Curiosamente, as feições de Slam Bradley lembram muito as do Superman. Apesar de corpulento e muito forte, Bradley não tinha nenhum superpoder. Mas é interessante como ele se assemelha a um Superman sem a capa, servindo como laboratório para que a dupla desenvolvesse o super-herói meses depois.

Slam Bradley surgiu logo na primeira edição da revista Detective Comics e pode-se dizer que foi a principal atração da revista durante um bom tempo, sendo posteriormente eclipsado pelo sucesso de Batman (apesar de suas histórias ainda continuarem sendo publicadas na revista depois da estreia do homem morcego). Sua importância na revista era evidente até mesmo pela quantidade de páginas dedicada a suas histórias, pouco mais de uma dúzia.
Suas histórias, apesar da pancadaria, pegavam um pouco mais leve nos roteiros, o que ficava ainda mais evidente com a presença do alívio cômico de Mindinho. Assemelhava  mais a uma aventura de Mickey e Pateta do que ao clima pulp.

Na sexta edição da Detective Comics, Bradley ajuda um idoso que aparentemente está sendo assaltado e tem sua gratidão ao ser convidado para uma festa em família. Tratava-se de um magnata do México, descobridor de uma mina de ouro em seu país. Mindinho, inicialmente relutante em comparecer a festa, logo muda de ideia ao ver a linda filha do magnata. A empatia da dupla com a família mexicana é imediata e todos se tornam amigos.

Pouco tempo depois, Bradley recebe a notícia de que o magnata foi sequestrado e sua filha lhe pede ajuda. A dupla vai ao México e é Mindinho, com seu jeito atrapalhado, quem acaba topando com os criminosos primeiro. Com seu jeito sempre cômico, acaba inventando que é um gangster americano e está ali no intento de fazer negócios, desbaratando o plano de Bradley. Os criminosos caem na lorota (com um pé atrás) e levam adiante o plano de Mindinho.

Mindinho, fingindo estar mancomunado com os criminosos, conta tudo a Bradley e, juntos, bolam um plano para surpreendê-los. Mindinho combina com o magnata, que está em poder dos criminosos, que ele revele o que querem: a localização da mina. Com isso, ganham tempo para Bradley atacar. Enquanto parte do bando segue para a mina, Bradley invade o cativeiro, dando conta do único vigia. O trio segue para a mina onde uma carga explosiva está posicionada de forma a prender os criminosos. O atrapalhado Mindinho acaba tropeçando no detonador fazendo com que a armadilha funcione afinal.

Apesar de Mindinho ser o alívio cômico, vale lembrar que aqueles eram tempos em que o bom senso imperava de uma forma bem diferente do que conhecemos hoje. Esqueça o politicamente correto! Com um dos criminosos preso entre uma brecha entre as rochas, Mindinho não pensa duas vezes em não apenas socá-lo, como também em arrancar fios de seus bigodes como se fosse mal-me-quer, bem-me-quer.

A fúria do torturado criminoso o faz se soltar das rochas e partir para matar Mindinho, mas este é salvo por Bradley que nocauteia o bandido com um soco. Rosita, a filha do magnata agradece e se despede de Bradley com um beijo, que ela alega ser o prêmio por deixá-la tão feliz. Quando Mindinho reclama o seu beijo, ela diz que... não está tão feliz assim.

Essa história foi publicada no Brasil na revista Mirim 260, pelo Grande Consórcio Suplementos Nacionais, em Dezembro de 1939, com o nome de "Slam Bradley no México".

DETECTIVE COMICS 06
Publicada pela DC Comics
Agosto de 1937

* "In Mexico"
ROTEIRO: Jerry Siegel
DESENHOS: Joe Shuster
HISTÓRIA CONTÉM: 13 páginas
EDITOR ORIGINAL: Malcolm Wheeler-Nicholson

Nenhum comentário: