domingo, 21 de setembro de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 763

Arte de capa por John Romita Jr

Arte de capa por Simone Bianchi
 - Captain America n° 4 (Abril de 2013)

* "Castaway In Dimension Z - Part 4", história escrita por Rick Remender, desenhada por John Romita Jr., artefinalizada por Klaus Janson, colorizada por Dean V. White, Lee Loughridge, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Capitão América & Gavião Arqueiro n° 4 ("Náufrago na Dimensão Z - Parte 4"), letreirizada por Gisele Tavares, traduzida por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editado por Paulo França

Manhattan, 1933.

Sarah Rogers está muito mal. Steve a lembra sobre seu antibiótico, doado pelo doutor Williams. Sarah pede para Steve chamar seu avô e buscar mais. Acontece que Ian, avô de Steve e pai de Sarah... morreu no último inverno. O senhorio bate insistentemente na porta. Ao abri-la, ele lembra que estão devendo dois meses de aluguel. Steve o lembra de que sua mãe está doente e não pode trabalhar. Como tem que cuidar dela, também não ganhou nada ultimamente. O senhorio não quer saber desse drama e dá até o dia seguinte para pagarem... ou terão que sair. Steve não conta a Sarah sobre a cobrança. Logo em seguida ele sai, em busca de uma solução.

Steve encontra Deidre. Ele pede ajuda da garota... que o leva até Hutch. Apesar de recebê-lo com ironia, Deidre lembra a Hutch sobre o Código das Ruas e pede para ajudá-los. Ele concorda.

Titubeante sobre o que está fazendo, Steve entra na farmácia. Assim que o proprietário lhe dá atenção, um tijolo atinge a vidraça. Lá fora, os marginais conversam despreocupadamente, isentando-se da culpa do que aconteceu. Enquanto o farmacêutico discute com os garoto, Steve, que ficou dentro da farmácia, pega o máximo possível de medicamentos e, conforme a orientação de Hutch, dinheiro do caixa. Quando o farmacêutico retorna, Steve sai como se tivesse perdido o interesse no que foi buscar.


Steve acaba de fazer seu primeiro grande roubo. Ao contar o que lhe é entregue, Hutch sabe que o garoto guardou parte do dinheiro consigo mesmo. No entanto, permite que ele fique com o dinheiro. Por enquanto, o delinquente está orgulhoso até mesmo da ousadia de seu novo "funcionário".

Ao voltar pra casa, Sarah continua febril, mas, ainda assim, está preocupada com o pagamento do aluguel. Steve a acalma. Ele pagou o senhorio graças a seu novo trabalho. Trabalho que ele pretende continuar, para que consigam tudo que precisam. Até Sarah ficar boa de novo. Steve promete fazer qualquer coisa pra isso. Sarah não sabe onde Steve conseguiu o dinheiro, mas não quer que o filho faça "qualquer coisa" para consegui-lo. O pai de Steve deixou circunstâncias perfeitas para que o garoto se tornasse um homem fraco... ao invés de um homem bom. Sarah pede que Steve prometa que irá se manter um homem bom e honrado, não importando as circunstâncias.

No dia seguinte, Steve vai até a farmácia. Ao encontrar o proprietário, ele confessa que é o garoto que roubou o dinheiro. Diz que sua mãe está muito doente... apesar desse fato não tornar certo o que fez... e ele sabe que fez a coisa errada. Steve se oferece para trabalhar e, assim, recuperar o dinheiro e os danos. O garoto é trabalhador. Ele pretende trabalhar até ter pagado por tudo. Pensando por um momento, o farmacêutico mostra a Steve a vassoura e o esfregão nos fundos. O garoto começa a trabalhar imediatamente.

Hoje.

Já se passaram onze anos desde que o Capitão América pousou na Dimensão Z. Hoje, sua mente se encontra clara como há meses não acontecia. Zola, incrustado em seu peito, está quieto. Descansando de suas investidas em sua mente. Mas ele está lá. Esperando sua hora. À noite se oculta em seus sonhos. Observando. Aprendendo. Procurando uma fraqueza. Para enchê-lo de desespero. Ele se agarra a sua desolação, sua vontade de voltar pra casa. Qualquer maneira de entrar. Sua única proteção é tentar manter o medo acuado. Para se manter focado no lado positivo e no que ele tem. Ian.

Steve nunca teve a intenção de criar o garoto. Mas fica feliz por tê-lo salvo de Zola. Ele agradece por ter tido esse tempo, por tê-lo visto crescer. Por tê-lo treinado e ensinado. Por poder oferecer a ele um caminho diferente daquele que Zola teria planejado. O garoto é nervosinho, sarcástico e imprudente. Mas também é honesto, leal e obstinado. Então há isso para agradecer. Se Steve nunca tivesse pisado naquele trem, nunca teria o privilégio de conhecer Ian. Nunca teria conhecido o garoto que hoje chama de filho.

Hoje eles estão caçando para a tribo. Apesar da pouca experiência e de ainda não ter se acostumado com o peso do escudo, Ian é eficiente. Steve, por outro lado, consegue acertar a criatura que caçavam. Ao contrário do que Ian desejaria, eles não usam a pistola. O escudo oferece uma precisão maior ao invés da força bruta. Algo que não é do funcionamento de um pistola. E é importante que Ian aprenda a usar o escudo. Afinal, irá ficar com ele um dia, depois que Steve for embora. 

Logo à frente, eles encontram um posto avançado dos mutantes de Zola. Está muito próximo da localização da tribo. O exército de Zola está se propagando. As tropas mutantes devem estar próximas. Antes que eles deem o fora da li... uma das criaturas os surpreende. Rapidamente, Ian saca a pistola de Steve e mata o monstro. A ação choca o garoto, mas foi um tiro justo. Não havia escolha. Não só por ter salvado a vida deles. Se Zola encontrar a tribo, vai levar seus habitantes para fazer seus experimentos. Eles levam a lula voadora para o clã. As reservas de alimento estão baixas e eles contam com a ajuda do dois. Antes de partir, Steve encontra uma das motos utilizadas pelo mutante. O mapa dela ainda está funcionando! E isso significa que encontrou um mapa pro túnel que poderá levá-lo pra casa. "Casa" para Steve, não para Ian. Tudo o que o garoto sabe é que foi encontrado "numa situação perigosa de onde Steve o tirou.”.

O Zola no peito de Steve acorda com o questionamento do garoto sobre quem ele é realmente... e sorri. A verdadeira mãe de Ian, Mary, nunca lhe daria crianças e tentou deixar o vilão quando descobriu suas experiências. Zola a deixou sair da cidade, pra que pensasse que tinha chance de escapar, mas antes disso, atirou nos pneus. Através da ligação com o vilão, Steve sente sua excitação quando viu Mary se acidentar. Compartilha a recordação do forte terror no rosto dela quando a retiraram da batida. Ian, por fim... é filho de Zola!

Steve adormece. Seus sonhos, como sempre, são atormentados pela voz de Zola. Literalmente. Isso acontece até ele despertar. Dessa vez, no entanto, ao despertar, ele vê Ian. O menino descobriu o Zola no peito de Rogers. E o vilão acaba de revelar que Steve não é seu pai... e sim ele. Antes que Steve cubra seu corpo novamente, Zola ordena que o garoto fuja. Se possível, que mate Rogers. Steve explica para Ian que aquele é apenas um vírus colocado por Zola. Mas o garoto, com lágrimas nos olhos, sente que o que ouviu é verdade. Zola é seu pai! E Steve nunca contou.

Atordoado, Steve explica que não podia deixar Ian nas mãos de Zola. Ele era apenas um bebê... não podia simplesmente deixá-lo. Antes de fugirem, o vilão injetou um vírus em seu peito. Desde então, a criatura tem tentado tomar conta de seu corpo por todos esses anos. A mente de Zola infiltrada na dele. As memórias de Zola entrelaçadas com as dele. Steve não pode mais lutar contra aquilo. Ele iria contar a Ian apenas quando não houvesse mais esperança de que pudesse segurar Zola. Steve lembra Ian que agora eles já sabem como chegar a Terra. Tudo indica que eles finalmente poderão ir embora. Ele pretende contatar seus amigos, os Vingadores, para salvar o clã dos exércitos do vilão. Mas eles devem partir o mais breve possível. Além do que, se Steve não encontrar ajuda logo, Zola vai acabar matando-o.

Continua...

2 comentários:

Anônimo disse...

O menino é filho do Zola?
Isso explica o cabeção e porque é TÃO FEIO!!!!!!!!!!!



beijos
Lisbeth

Marcos Dark disse...

Podia ser pior. Ele podia ser filho do Modok!