quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 744

Arte de capa por Steve McNiven

Arte de capa alternativa por Marko Djurdjevic
 - Captain America n° 4 (Janeiro de 2012)

* "American Dreamers Part 4", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Steve McNiven, artefinalizada por Jay Leisten, colorizada por Justin Ponsor, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Capitão América & Os Vingadores Secretos n° 17 ("Sonhadores Americanos - Parte 4"), letreirizada por Gisele Tavares, traduzida por Jotapê Martins e editado por Paulo França

Steve e Sharon perderam o lançamento do novo carro da Onda Motors. O novo modelo é o primeiro carro movido a água salgada. Há muito tempo considerado uma revolução para o complexo industrial-ambiental, o carro Onda na verdade dessaliniza seu combustível enquanto roda, produzindo água potável como único resíduo. Apesar de não estar presente no lançamento, o casal já se dá por satisfeito por, de certa forma, estar na primeira fila para assistir ao futuro.

A nave os leva chega até a base lunar Zero. O agora Comandante Rogers é recepcionado e informado que o Conselho preparou o detalhamento de seu próximo trajeto. Ele e Sharon, no entanto, preferem comer primeiro e tomar um banho. Todos estão empolgados com a presença do Capitão América na Lua. "Capitão América". Já faz muito tempo que não o chamam assim. O casal observa a paisagem, onde se pode ver a Terra ao longe. Para Steve chega a ser engraçado olhar o mundo que não precisa mais do Capitão América. Os planos deles agora é ter filhos que provavelmente vão nascer nas luas de Júpiter e povoar as estrelas. Steve acha todo aquele progresso repentino demais, como se jamais tivesse achado que aquele dia aconteceria.

De volta à Terra, Steve é entrevistado pela Srta Novak, do Clarim Diário. As crianças lhe pedem autógrafos. Novak quer mais do que a costumeira modéstia de Steve. Precisa ir pra trás da máscara... encontrar o verdadeiro Capitão América... mesmo que o herói não exista mais. Steve se sente muito bem com isso. O sonho americano virou realidade... e todos estão vivendo nele. Ele viu os americanos se salvarem de sua ganância e mesquinharia e erguer um mundo melhor.

De repente, um detalhe chama atenção de Steve. Uma estranha luz em um beco. Steve vai até a fresta e começa a tirar os tijolos da parede. Do outro lado, um cenário de pesadelo. Steve jurava que haviam impedido toda aquela decadência. Do outro lado, sob um torrencial e cinzento mundo, a população é arredia e teme até mesmo a ajuda que possa receber. Ele percebe que tudo está muito errado quando vê um mastro... com a bandeira americana destruída. Bravo diz que foi isso que sentiram quando Jimmy Júpiter acordou do coma e todos eles foram arremessados para o mundo real.

Dentro do mundo onírico, o tempo simplesmente não tem significado. Aqueles que ficaram presos foram, por décadas, párias em um mundo sem regras. No começo, foi aterrador... como se estivessem presos num pesadelo que se alterava constantemente. Bravo perdeu dois homens na primeira noite... para monstros que ele sequer sabe como eram. Em pouco tempo, seu esquadrão e os agentes da Hidra que tinham se perdido com eles perceberam que a única maneira de sobreviver era trabalhar em conjunto. E assim como o pequeno Jimmy Júpiter... aprenderam a moldar o lugar. A alterá-lo às suas vontades. Foi assim que conquistaram aquela dimensão... que ergueram um mundo imaginado em seus sonhos. Para o fascismo, o sonho americano soa bem diferente do que o Capitão América imagina. Por isso ergueram o que consideram um paraíso... pras suas vidas sem envelhecimento. Bravo, na verdade, nunca foi abandonado de propósito. A missão foi sabotada. No entanto, acostumado com o mundo utópico que criaram, ficou furioso quando Jimmy acordou e eles foram lançados no mundo real e perceberem quanto tempo ficaram fora. E perceber que o Capitão América ainda é o campeão dessa realidade.

O mundo a volta do Capitão e Bravo parece estar desmoronando. A mulher de Bravo está mudando o mundo... o mundo real... sem que o Capitão América possa fazer nada, por estar preso no mundo de Bravo.

Nenhum comentário: