quarta-feira, 23 de julho de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 721

- Captain America n° 619 (Agosto de 2011)

* "Gulag - Part 4", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Butch Guice, artefinalizada por Stefano Gaudiano, colorizada por Bettie Breitweiser, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Capitão América e os Vingadores Secrets n° 15 ("Gulag - Parte 4"), letreirizada por Gisele Tavares, traduzida por Jotapê Martins, editada por Paulo França

Apesar de não poder responder, devido à ação das drogas, Bucky sabe o que Rostov procura em sua mente. O Projeto Zephyr: três agentes soviéticos de destruição em massa deixados escondidos na América desde os anos 80. Porém, o coronel não deseja apenas ativá-los. Essa, de certa forma, é sua aposentadoria. Por isso ele decidiu vender a informação para outros que odeiem a América. E, para ele, o melhor é saber que Bucky irá morrer ciente que, de certa forma, é culpado.

Quando Bucky acorda, ele está de volta em sua solitária. Ele se lembra do Projeto Zephyr. Agentes adormecidos melhorados. Ele ajudou a treiná-los... armamento avançado, corpo-a-corpo, explosivos improvisados. E ele os ensinou a se misturar... a agir como americanos. Trinta anos se passaram e ninguém nunca os acordou.

Mais tarde, o diretor vem buscá-lo. Apesar do blefe, ele percebe que o homem não acredita que alguém como os vingadores estão a caminho. O diretor anuncia que Bucky irá para a arena pela última vez. Afinal, seu oponente desta vez é invencível. Há muito dinheiro envolvido, pois Bucky acabou criando fãs. Sua derrota interessa o diretor, que apostou nela. Quando o diretor chega perto o bastante, Bucky dá uma cabeçada em seu nariz. Os guardas espancam o herói. Mas esse episódio serviu para mostrar-lhe algo importante: que agora ele não se importa de se tornar um fugitivo e muito menos de causar um incidente internacional. Custe o que custar, ele irá fugir dali.

Enquanto é levado para a arena, Bucky estuda os pontos fracos da prisão. Ele não pretende ficar ali por outra noite. Ele vê seu oponente, que trás um bizarro terceiro olho na testa, mas não o reconhece. É só quando esse terceiro olho começa a ser energizado e ele dispara que Bucky o reconhece. Trata-se do primeiro unicórnio. Bucky faz com que seu poderoso oponente redirecione as rajadas para outros locais. A janela do diretor, por exemplo. E também contra os pontos fracos da prisão, que andou estudando.

O gulag é autossustentável. Os esgotos fornecem gás metano por tubulações, tanto para aquecer os quartos dos oficiais quanto alimentar os geradores. Ao fazer com que seu inimigo dispare uma rajada na direção dessas tubulações... acaba causando uma reação em cadeia que explode grande parte do local. Bucky passa pelo perímetro de segurança e enfrenta os guardas. Ainda assim, ele não imagina como irá sair da Sibéria. É então que ele a vê... Natasha, pedindo para que ele a siga.

O casal foge para dentro da floresta que cerca o gulag. Para a sorte de Bucky, ela trouxe um helicóptero. Ele pensou que passaria seus últimos dias ali, aceitando sua redenção. Mas agora sabe que existem detalhes lá fora. Perigos com suas impressões. Coisas que ele precisa impedir. E, para tanto, ele pouco importa se entrará para as listas de mais procurados do mundo.

4 comentários:

Anônimo disse...

Oiê!!!!

"Trata-se do primeiro unicórnio." WTF????????? Um U-N-I-C-Ó-R-N-I-O? Como????



Lisbeth

Marcos Dark disse...

Unicórnio era o codinome de um inimigo do Homem de Ferro, dos tempos da Guerra Fria. Seu poder consistia em disparar rajadas... de sua testa. Daí... Unicórnio.

Anônimo disse...

Ahh mas imagina só q legal teria sido se fosse mesmo um unicórnio?
Aquele cara, o Capitão Planeta (acho q era um índio amaldiçoado a viver pra sempre pra proteger a Terra, mas não lembro o nome dele) ficaria TÃOOOOOO feliz.


Lisbeth

Marcos Dark disse...

Voto mais pelso pôneis malditos.