quinta-feira, 26 de junho de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 701

Arte de capa por Carlos Pacheco
- Steve Rogers: Super-Soldier  n° 2 (Outubro de 2010)

* "Steve Rogers: Super-Soldier - Parte 2", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Dale Eaglesham, colorizada por Andy Troy, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Avante, Vingadores n° 49 ("Steve Rogers: Supersoldado"), letreirizada por Gisele Tavares, traduzida por Rodrigo Barros, editada por Paulo França

Os tiros com balas de alta velocidade, capazes de perfurar até o vidro blindado do escritório do professor Erskine, continuam. O professor, alvo do primeiro tiro, está agonizando nos braços de Steve Rogers. Seu último pedido é que sua esposa, Anita, seja protegida de Smith. Quando Erskine morre, Steve ouve os passos dos seguranças já cercando a sala. Mas ele tem que sair dali. Ele salta pela janela do edifício e tenta desacelerar a queda agarrando-se a bandeira de Madripoor, estendida em um mastro. Ela aguenta menos do que imaginava. Ainda assim, mesmo de forma desajeitada, sua queda é amortecida por um chafariz logo abaixo.

No solo, Steve pode ver a janela de onde se posicionou o atirador. No entanto, ao chegar ao local... descobre que o assassino utilizou algum dispositivo de controle remoto para efetuar os disparos. Mal humorado, ele percorre o submundo de Madripoor em busca de pistas. Sem muito sucesso. Apenas com um nome como suspeito, Steve pede a Sharon que lhe forneça informações sobre Myron Smith, chefe de segurança da farmacêutica. No entanto, mesmo que Sharon desconfie que haja algo a mais do que mau humor, Steve não quer se abrir. Sua cabeça ainda está no fato de que viu uma mulher de seu passado, a Cynthia Glass, espiã nazista que morreu ao se apaixonarem. O primeiro amor que ele perdeu. No momento, o que ele pode fazer é seguir Myron, que leva Anita para uma casa protegida perto da praia. É muito arriscado para Steve se aproximar mais. Então ele espera pelo momento oportuno.

Steve encontra Anita passeando na praia, sozinha. Ele diz conhecê-la e sabe o que aconteceu com seu marido. Anita, de repente, parece se lembrar dele. Ele se apresenta e, ao dizer seu nome, Anita se lembra perfeitamente... e o beija. Ele a afasta, sabe que há algo errado. Ela, transtornada, volta para a casa. Steve a segue. Sharon volta a se comunicar com ele (que gagueja, surpreso). Ela não descobriu nada sobre Myron Smith... porque Myron Smith não existe. Sua documentação é totalmente forjada. De repente, tudo faz sentido. O atirador por controle remoto, um dos cientistas carbonizado em seu próprio carro... o nome Smith. Steve agora sabe com quem está lidando.

Ao confrontar Smith em seu escritório, Steve diz que sabe sobre sua verdadeira identidade. A farsa terminou. Myron agarra a cabeça de Anita e a torce. Com isso, o rosto da mulher literalmente se solta, mostrando que ela é um robô. Além disso, o próprio Myron também é um robô. Um típico e cruel plano do vilão... Mecanus.

A sala se fecha automaticamente e Steve se prepara para lutar. No entanto, é surpreendido por raios que o atingem e desativam os efeitos do soro do supersoldado em seu sangue, diminuindo seu tamanho para o franzino Steve Rogers.

Continua...

2 comentários:

Anônimo disse...

Cadê o "Âmago Classic" mostrando quando o Mecanus apareceu pela primeira vez? Eu tava me acostumando com esses 'flashbacks'!!!!

E a Sharon chegou a ganhar alguma mini-série só dela? A personagem merecia.......


beijos
J.

Marcos Dark disse...

Uma boa idéia o Âmago Classic com o Mecânus.

Aliás, aproveito para guiá-los quanto a mecânica (ops, desculpe, Mecânus) das postagens extras. Eles serão publicados sempre no final de um arco de histórias. É como se os artigos fosse "encadernados" em um pacote onde, ao finalizar a história, os leitores ainda ganham um material extra. Fiquem ligados.

Sharon já teve uma minissérie chamada Agente 13, que não foi publicada no Brasil. Foi ali que Nick Fury retornou após acreditarem que ele tinha sido morto pelo Justiceiro (longa história... um dia eu conto).