sexta-feira, 20 de junho de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 695

Arte de capa, por Marko Djurdjevic

Arte de capa alternativa, por Butch Guice
 - Captain America n° 606 (Agosto de 2010)

* "No Escape, Part 1", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Butch Guice, colorizada por Dean White, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Capitão América e os Vingadores Secretos n° 1 ("Sem Saída - Parte 1"), letreirizada por Gisele Tavares, traduzida por Jotapê Martins, editada por Paulo França

Fantasma, integrante dos Thunderbolts, que eram controlados por Norman Osborn, invade o antigo esconderijo do grupo original. Coincidentemente, acaba encontrando o Barão Zemo, líder-fundador do grupo. Tentando se livrar do dispositivo de rastreamento, Fantasma conta a Zemo sobre seu encontro com o novo Capitão América. O detalhe surpreendente para Zemo é que a identidade desse novo herói era ninguém menos que... Bucky. O mesmo Bucky que seu pai acreditava ter sido o responsável pela morte na Segunda Guerra. Zemo critica os planos de Osborn pois, graças a eles, o mundo voltou a ter tons de preto e branco, bem e mal, certo e errado... heróis e vilões. E, com essa revelação, descobre que está mais do que na hora de voltar à ativa.

Acompanhado de Armador, integrante dos Thunderbolts originais, Zemo procura por Jurgen Hauptmann, o Mão de Ferro, que já pertenceu ao grupo do Caveira Vermelha conhecido como Exilados (o mesmo grupo de criminosos presos em uma ilha, onde Sam Wilson encontrou Steve Rogers pela primeira vez). Zemo ameaça Hauptmann sobre cumprir uma antiga dívida que o vilão tinha com seu pai. Zemo também invade o Instituto Kurtzberg, onde está internada a deformada Pecado, e pede mais informações sobre Bucky... e como ele sobreviveu. Pecado gargalha.

Falcão desabafa com Steve Rogers que o novo Capitão América parece estar agindo de forma mais perigosa do que necessária. Em um recente enfrentamento com a Gangue de Demolição, ignorou a própria segurança e colocou sua vida em risco em manobras que mais pareciam formas de se deixar ferir propositalmente. Chegou ao ponto de suas ações ocuparem o Falcão, o que possibilitou a fuga dos vilões. Bucky tem agido assim desde a morte de Burnside. De fato, o herói tem pesadelos com aquela execução até hoje.

Em um bar, Steve e Sam tentam conversar com Bucky e descobrir o que está acontecendo com o amigo. Bucky desdenha e prefere não levar sermões de seus parceiros. Até mesmo pede desculpas por ter colocado a vida de Sam em risco no caso da Gangue de Demolição, como se esse fosse o principal problema. Quando Steve vai embora, Sam se oferece para dirigir a moto de Bucky, pois este parece estar bêbado. Bucky concorda, mas estranha o fato de estar bêbado com apenas duas cervejas. Tarde demais, ele descobre que isso só pode significar que ele foi drogado. É então, percebendo que caiu em uma armadilha, que se volta urgentemente para Sam... que, ao ligar a moto, é atingido por uma explosão. Bucky chama uma ambulância para o amigo.

A explosão só não foi mais fatal, pois a intenção de Zemo, acompanhado do Armador, era ferir. A primeira fase do plano do vilão estava completa.

A+:

* No Brasil, esta história foi publicada na volta da revista mensal do Capitão América, algo que não acontecia desde os tempos da Editora Abril, ou seja, 14 anos atrás. O impulso para o lançamento foi o filme do herói nos cinemas. Ainda assim, dividia o titulo com os Vingadores Secretos, que também figuravam no nome da revista.

* O Instituto Kurtzberg, onde Pecado está internada, é uma homenagem ao criador do Capitão América e do Caveira Vermelha, Jack Kirby, nome artístico de Jacob Kurtzberg.

* O pesadelo de Bucky é uma homenagem à arte do desenhista Jim Steranko, que teve uma curta, porém, cultuadíssima passagem pelas aventuras do Capitão America no final da década de 60, como vimos em O Diário de Steve Rogers - Parte 103.

ENQUANTO ISSO:

* Kevin Feige anunciava que tanto o filme do Capitão América quanto o do Thor teriam suas versões em 3D.

* Na Comic-Con 2010 era apresentado um cartaz sobre o filme. Apesar de se tratar de uma arte conceitual, dava uma melhor ideia de como o personagem ficaria utilizando o uniforme:

* No painel da Comic-Con referente ao filme, uma das cenas mostra que o Cubo Cósmico, famoso artefato do Universo Marvel, estaria presente. E mais: a cena mostra Hugo Weavin (o Caveira Vermelha, porém, ainda sem o famoso semblante) invadindo uma espécie de templo atrás do objeto. Ludibriado, descobre que o verdadeiro está escondido em uma gravura de Yggdrasil, a árvore da vida que aparece nas histórias do Thor. Com isso, estariam conectando os filmes do Capitão América com o do deus do trovão.

* O diretor Joe Johnston declarava que a adaptação de Steve Rogers para a tela mostraria o personagem como uma pessoa boa, que queria fazer a coisa correta, mas não uma espécie de superpatriota. Bem... até aí... esse é um erro recorrente de quem não lê histórias do personagem e pode julgá-lo como um mero herói propagandista e "puxa-saco" dos Estados Unidos. Suas histórias nos quadrinhos, no entanto (mesmo que esses tenham surgido com intenções propagandistas), mostram justamente um Steve questionador da América que tanto se impõe ao mundo.

* E Joss Whedon, escolhido como diretor do vindouro filme dos Vingadores, justamente para criar ligação com o seu filme, escreveria alguns dos diálogos em Capitão América, para que o personagem tivesse seus propósitos refletidos na equipe em que viria a participar no futuro.

* É revelado um set montado em Farnham, no condado de Surrey, na Inglaterra, onde se vê o palco onde Steve Rogers fez sua performance para elevar o moral das tropas:

* Cena com figurantes rodada no meio da Trafalgar Square, em Londres. A cena mostra as comemorações no dia em que as forças aliadas aceitaram a rendição dos nazistas no fim da Segunda Guerra Mundial, o chamado VE-DAY:

* "Eu faço o papel do Dr. Erskine, descrito como um cientista alemão velho. Eu tenho que fazer sotaque e ser velho. Quando me pediram para fazer isso de início, eu não sabia dizer se era um cumprimento ou um insulto." (Stanley Tucci)

* Com a onda de notícias envolvendo o filme do Capitão América, a Marvel começa a divulgar projetos especiais com o personagem nos meses seguintes. Um desses projetos é a minissérie Captain America : Man Out Of Time, onde o personagem, na época em que voltou a ativa (após ficar congelado por décadas), tenta se adaptar a uma sociedade americana muito diferente da que conhecia. O escritor responsável é Mark Waid.

* A atriz Hayley Atwell, interpretando a personagem Peggy Carter:


GALERIA:
* Versão de Capitão América, por Tony Aros. 

SEM FILA:
* Na Comic-Con 2010, a Marvel Studio apresentava ao público o escudo do Capitão América a ser utilizado no filme:

ÂMAGO CLASSIC:

* Em Setembro de 1969, surgia o primeiro super-herói afro-americano dos quadrinhos: Sam Wilson, o Falcão. Foi criado pelo escritor Stan Lee e pelo desenhista Gene Colan. Para mais detalhes, veja O Diário de Steve Rogers - Parte 110.

ÂmagoNews:
* Falei sobre a "superheroirização" de Hank Pym, fazendo-o se tornar... hã... um... digamos... grande herói da Marvel, na segunda parte do artigo sobre o Homem Formiga, para o Impulso HQ: Cuidado onde pisa - Parte 2

2 comentários:

Anônimo disse...

Nossa, alguém conseguiu fazer o Zemo parecer ameaçador (que ele é um problema ele é, que ele *parece* ser um problema....)

Por que ninguém NUNCA vai para a terapia. O que eles tem contra? O Bucky precisa de ajuda especializada!!!!!!!

Zemo tem q ser destruído. NINGUÉM fere o SAM e sai impune. Isso já não faz parte da "era Heróica Marvel"? Como assim, então, eles machucaram o SAM????!!!!

Eu sei q vc colocou o vídeo pelo escudo mas, VC VIU O TRONO DO ODIN?!!!!!!!!!!


beijos
Jovie

Marcos Dark disse...

Sabe que o Zemo tem uma coisa muito peculiar no quesito vilão. Ele não dá tanto "piti" de vilão quando perde. Até mesmo os "grandões" como Caveira Vermelha e Doutor Destino ficam fulos e dando pulinhos de ódio quando perdem, devido ao orgulho. O Zemo até que mantém a postura. Não que não fique fulo vez ou outra pelos planos darem errados. Mas é o vilão que levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima a cada derrota. Tem lá sua elegância (apesar do frufru no uniforme).

Eu avisei que a Era Heróica poderia até trazer novos tempos para os heróis, mas que não ia ser fácil...

Vi o trono de Odin sim. Tentação de tirar um cochilo ali.