quarta-feira, 30 de abril de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 655


 - Captain America: The Chosen 4 (Dezembro de 2007)

* "Fear in a Handful of Dust", história escrita por David Morrell, desenhada por Mitch Breitweiser, colorizada por Brian Reber, editada originalmente por Andy Schmidt e Alejandro Arbona

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Capitão América - A Escolha ("Na Companhia do Medo"), letreirizada por Júlio Nogueira, traduzido por Fernando Bertacchini e editada por Fernando Lopes; e pela Editora Salvat na Coleção Graphic Novel Marvel, editada por Luciana Barrella

O coração do Capitão América não suporta mais nenhum esforço. Ainda assim, ele insiste em se desgastar contatando o cabo Newman. A imagem que projeta agora se mostra mais cadavérica, condizente com seu estado físico. Ele pergunta ao cabo, preso na caverna junto a seus colegas, se está com medo. Newman confessa que sim.

"Também sente medo a cada patrulha? Sem saber se não há nenhum atirador de elite à espreita ou uma cilada ao longo da estrada? Algum homem-bomba, treinado pra despedaçar você e todo mundo durante uma refeição no rancho? Desde que pisou nesse país, houve sequer um dia em que não tenha sentido medo? Pois tente multiplicar isso por décadas. Eu me tornei o Capitão América em 1941. Uma vida inteira atrás. Desde então, em tantos milhares de dias, não existiu uma mísera missão na qual o medo não tenha me acompanhado.” 

"A Alemanha nazista havia invadido a maior parte da Europa. Os americanos foram obrigados a se preparar para a maior batalha de suas vidas, enfrentando ataques de sabotadores e quinta-colunistas. Mas sou só um humano. Steve Rogers, um insignificante João-Ninguém. Meu pai morreu quando eu ainda era criança. Foi vítima da Grande Depressão. Estava sempre ausente, procurando emprego... Tentando nos sustentar. Trabalhando como lavadeira e costureira, minha mãe conseguiu ao menos nos alimentar. Pouco depois que completei 18 anos, ela morreu. De pneumonia, segundo o médico. Pra mim, na verdade, minha mãe se matou de tanto trabalhar."

"As notícias de atrocidades crescentes na Europa me fizeram perceber uma realidade ainda mais cruel: meus problemas não eram nada em comparação ao inferno que assolava o velho mundo. Eu esperava fazer alguma diferença. Disseram que eu era fraco demais. No meu coração, eu tinha toda a força de que qualquer um poderia precisar. Foi então que encontrei um novo pai. Ou melhor, três pais: Doutor Erskine, General Phillips e Coronel Fletcher. Ou eles é que me encontraram."

"Estavam em busca de uma cobaia humana para um programa militar chamado Projeto Renascimento. A meta era criar um exército de supersoldados capazes de rechaçar o implacável domínio nazista na Europa. O programa consistia em no encher de hormônios e drogas experimentais... e desenvolver nossa condição física até o limite do máximo. O doutor tinha inventado uma máquina para bombardear nossos organismos alterados com algo denominado raios vita. Assim que a preparação bioquímica e física estivesse concluída, ele promoveria a metamorfose final."

"É claro que ninguém acreditava que eu fosse concluir a etapa de preparação. Minha presença seria só para demonstrar os efeitos dos procedimentos num biótipo diferente. Mesmo assim, o doutor Erskine e o general Philips sempre me incentivaram. Em contrapartida, o coronel Fletcher só sabia gritar comigo, sempre me insultando e exigindo que eu me empenhasse cada vez mais. Porém, nunca me enfureci, pois compreendia que ele tinha de fazer isso."

"Infelizmente, um dano colateral das drogas e dos hormônios artificiais era exacerbar traços negativos da personalidade, principalmente nos candidatos mais robustos. Eles já haviam crescido com o hábito de usar sua força e tamanho pra conseguir tudo que queriam na vida... e acabaram perdendo de vez o controle emocional. Desnorteados por sua nova supremacia física, cada um queria dominar os outros. Uma mentalidade de valentão se desenvolvia. Eles ficavam como os valentões que supostamente deviam combater. Com o tempo, o único voluntário restante no Projeto Renascimento era eu."

"Pra recompensar a fé que meus pais adotivos depositavam em mim, passei a me empenhar cada vez mais. Eu fazia tudo que me pediam. Foram meses de agonia e determinação. Eu tinha noção de que o tempo me pressionava. De que um aterrador prazo estava se encerrando. Logo, chegou o momento de me submeter ao estágio final. O primeiro dia do meu interminável medo, embora a princípio eu estivesse um tanto otimista."

"Com credenciais forjadas, um espião conseguiu testemunhar o experimento. Até hoje, ainda me culpo por ter perdido o controle e destruído acidentalmente o gerador de raios vita. Afinal, uma vez que somente o Dr. Erskine conhecia os segredos daquela tecnologia, o Projeto Renascimento nunca mais poderia ser repetido. Jamais haveria outro Capitão América. Eu mesmo me condenei a ser único. E hoje, o Projeto Renascimento está sendo extinto."

Os companheiros de Newman ainda imploram por sua ajuda. O espectro do Capitão América aponta para uma única brecha, onde o cabo pode conseguir salvá-los. Uma pequena fresta na caverna. O cabo não suporta locais confinados. Se sente sufocado. Mas aquela é a única chance. O Capitão América sabe muito bem como ele se sente. E sabe que isso nunca irá passar. O medo nunca irá passar.

Continua...

Nenhum comentário: