sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 573

 - Captain America n° 17 (Novembro de 2003)
* História escrita por Dave Gibbons, desenhada por Lee Weeks e artefinalizada por Tom Palmer

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Os Poderosos Vingadores n° 15

Atlântico Norte. Março de 1964.

Um submarino alemão encontra algo incomum. Um bloco de gelo com um corpo dentro. Trazido para bordo, percebem que o homem usa um uniforme do exército americano, algo que não é visto desde o fim da Segunda Guerra. O médico do submarino sabe que o estranho está congelado há anos. Mesmo assim, não sabe se está tecnicamente morto. A atividade nervosa começa a funcionar e o homem sonha.

“Eu acelero até o fim. A motocicleta ruge sob mim. Velocidade máxima. O avião está perto. De repente, Bucky fica em pé. Eu grito 'Não, Bucky! Não! '. Tarde demais. Ele salta. 'Não vá sozinho, rapaz'. Ele não pode me ouvir. Então, me aproximo mais. E salto. Minhas mãos escorregam na fuselagem. É lisa demais. 'Solte, Bucky. Bucky! Salte do avião, garoto. Agora! Ele pode estar cheio de armadilhas'. Ele responde: 'Tem razão, Capitão. '. Sua voz se perde no vento. 'Eu tô vendo uma bomba. Ela vai explodir'. Eu grito novamente: 'Bucky! '.

Nesse momento, o homem acorda gritando pelo nome de seu parceiro. Mas um militar de alta patente do submarino informa que ele morreu... faz tempo. O Capitão percebe algo muito peculiar nas vestimentas dos tripulantes. Suásticas. Todos ali... são nazistas. Provavelmente os responsáveis pela morte de Bucky. O Capitão América, como é reconhecido, tenta enfrentar a todos. Mas uma dose de morfina consegue desacordá-lo novamente. Assim que o herói é amarrado, o militar ordena que rumem para Nova Berlim.

Assim que chegam a Nova Berlim, ainda acorrentado, o Capitão América é levado para fora do submarino e se espanta com o que vê. Ele reconhece vagamente o local. No local onde costumava haver a Estátua da Liberdade, agora há uma estátua, na mesma proporção, só que de Adolf Hitler. Anos atrás, a cidade que hoje é Nova Berlim também era conhecida como... Nova York! O herói é levado em uma espécie de cortejo, apenas para mostrar ao povo que o grande combatente da Segunda Guerra, símbolo da América, agora é um exemplo da derrota dos Estados Unidos na Segunda Guerra. Calado e apenas observando, o Capitão América é levado ao Empire State, sede do governo nazista. É então que ele é colocado diante do líder daquele governo. Seu antigo inimigo... o Caveira Vermelha.

O Caveira Vermelha solta as correntes do Capitão e lhe mostra uma visão da sua Nova Berlim. Através da invenção chamada televisão, o vilão lhe conta o que houve enquanto o herói esteve congelado.

"Após seu misterioso desaparecimento em 1944, o rumo da guerra virou a nosso favor. Aparentemente, algo havia mudado no mundo. Condições climáticas aberrantes e descobertas milagrosas em nossos projetos com armas secretas nos ajudaram a expulsar seus soldados invasores de nossos territórios. O destino realmente estava do lado do Reich. Em poucos meses, tomamos a Inglaterra, reocupamos o norte da África e a União Soviética. Por fim, uma poderosa frota partiu para os Estados Unidos. Após batalhas ferrenhas, dominamos Washington e o sul do país. Mas somente a detonação de uma poderosa bomba atômica em Detroit fez com que os americanos se rendessem. Depois de controlar os Estados Unidos, começamos a erradicar as raças não arianas que aqui encontramos. Nossas tropas eliminaram impiedosamente as formas semi-humanas em nosso caminho. Permitimos que nossos aliados orientais controlassem a Ásia e o Pacífico pra nós, mas, salvo essa exceção, a bandeira com a suástica tremula sobre toda a humanidade. Este Reich não vai durar apenas mil anos, mas para sempre. Não esqueça minhas palavras... pra sempre."

O Caveira ainda informa que tomou o poder após a morte de Hitler. Ele propõe ao Capitão que ele se torne um ícone, o símbolo da Nova América... para que o povo pare finalmente de resistir. Para tanto, o herói terá que jurar lealdade ao Reich publicamente. Em troca, ele poderá ter tudo o que quiser: terras (oferecendo toda a Califórnia) e mulheres (ou, como maliciosamente sussurra, “garotinhos, meninos uniformizados e mascarados, se preferir...”).

Diante da hesitação do herói, o Caveira diz que a alternativa será bem pior. Eles irão criar uma raça de super-homens a partir do sangue do Capitão. Todos loiros, fortes, arianos. Depois realizarão vários procedimentos médicos para entender completamente como funciona o corpo modificado do herói. Após a tortura, ele será enforcado em Times Square e seu cadáver deixado em exposição... seu escudo se tornará uma mera mesinha de café nos aposentos do vilão.

Finalmente, quando o Caveira questiona se é tão difícil tomar uma decisão, o Capitão fala. E, pelo ataque ao vilão, a resposta é não se render. Com seu escudo, o Capitão consegue se defender dos guardas que cercam o Caveira. Mas eles são em maior número e ele decide bater em retirada... saltando pela janela do alto do Empire State.

Continua...
A+:

* O britânico Dave Gibbons, escritor desse arco, ficou mais conhecido como desenhista da minissérie Watchmen, escrita por Alan Moore. Com seu nome sendo facilmente reconhecido, vem contribuindo com participações especiais em diversas publicações, seja como desenhista ou como escritor (Gibbons também já fez trabalhos como letrista)

* O traço do desenhista Lee Weeks é mais lembrado pelas histórias do Demolidor, no início da década de 90, em parceria com a escritora Ann Nocenti. Antes desse arco, Weeks contribuiu com a arte da revista do Hulk, escrita por Bruce Jones.

* Chuck Austen passou a escrever vários títulos da Marvel, sendo mais notória sua passagem pelos títulos envolvendo os mutantes x-men. 

* Jae Lee viria a ser o principal desenhista da adaptação em quadrinhos para a série "The Dark Tower", de Stephen King.

* Esse arco começa com o Capitão América sendo encontrado congelado em Março de 1964. Essa data é a mesma do lançamento da revista Avengers n° 4, onde o Capitão América foi reintroduzido no Universo Marvel, quando foi encontrado pelos Vingadores.

* Enquanto apresenta Nova Berlim, o Caveira Vermelha mostra vários edifícios nova-iorquinos batizados com nomes de nazistas conhecidos. A Cúpula Albert Speer, traz o nome do arquiteto que se tornou uma pessoa próxima a Hitler e, responsável por um novo projeto de reconstrução de Berlim, utilizou de trabalho de escravo vindo dos campos de concentração. A Torre de Comunicações Joseph Goebbels traz o nome de um dos maiores seguidores de Hitler, responsável pela Solução Final, que exterminou os judeus durante a Segunda Guerra; sua propaganda em prol do nazismo visava convencer o povo alemão a entrar agressivamente na guerra; no final da Segunda Guerra, acabou cometendo suicídio (após matar os seis filhos e a esposa). E o Aeroporto Internacional Hermann Goering, traz o nome do fundador da Gestapo; quando soube das intenções de Hitler em cometer suicídio, solicitou substituir o fuhrer, mas só conseguiu provocar a ira de seu líder, o que lhe rendeu a ordem de prisão. Após o fim da Guerra, Goering foi condenado à morte por enforcamento, mas cometeu suicídio antes, ingerindo cianeto.

Nenhum comentário: