domingo, 19 de janeiro de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 560

 - Captain America n° 4 (Setembro de 2002)
* "(sem título)", escrita por John Ney Rieber, desenhada por John Cassaday

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Marvel 2002 n° 11 (sem título)

Em uma base secreta na Virgínia, o Capitão América, furioso, pretende tomar satisfações com Nick Fury. Nada pode deter seu avanço. Fury ordena que deixem o supersoldado passar. Calado e soturno, o herói mostra apenas um pequeno aparelho que conseguiu em Centerville. Antes de seguir para a missão e livrar a cidade de terroristas, Fury tentou pendurar um daqueles em seu pescoço. Todos os terroristas estavam usando esse aparelho. A tecnologia é a mesma usada pela SHIELD. Já é o segundo fato estranho envolvendo esse caso, depois de que constatou que uma nave "inimiga" foi quem espalhou as minas... trezentas milhas dentro do espaço aéreo americano... sem ser detectada. O Capitão frisa que está ali para proteger o povo e o sonho... não os segredos do governo. Fury escreve uma mensagem e entrega ao Capitão.

Ao sair, o um tenente faz continência ao herói. Ele corresponde, mas informa que não é um oficial. O tenente diz que sabe quem ele é. Todos sabem. O Capitão América sorri.

"Parece que Fury vai levar parte da culpa... Mas pelo quê? Por confiar em você? Você não facilitou em nada a vida dele hoje. A dele ou a sua. Agora você tem um destino. Um que você rezou pra nunca mais rever. Você preferia ir ao inferno. Mas, tão logo achar um voo... você estará voando de volta a Dresden. Pelo menos você está aqui esta noite. Em casa... para o 4 de julho."

"Você poderia ter um lar. Poderia estar lá agora. Numa casinha branca. Numa rua calma e ensolarada. Sem ninguém disparando mísseis contra você. Sabendo quem são seus amigos... Ouvindo as crianças da vizinhança berrando, brincando com a mangueira. Enquanto ela toma sol. A mulher que você ama. A mulher que ama você. Você a olha, ela olha de volta... e sorri. E você saberia que ela também está pensando. Como seriam lindos... os filhos que vocês teriam algum dia. Você poderia ter tido isso. Poderia ter tido tudo isso. O cheiro que sente poderia ser da carne na churrasqueira de seus vizinhos... não de sua própria carne... queimando. Esqueça a dor. Abrace o sonho. Se você não acreditar... quem o fará? Basta agarrá-lo, soldado. Agarre-se ao sonho. Você não precisa experimentá-lo..."

Durante o percurso que o Capitão faz após sair da base, ao estar sozinho e distante sobre uma barragem, soldados o cercam e o atacam. Saltando de sua motocicleta, ironicamente se salva agarrando-se a uma bandeira... que é atacada em seguida, fazendo-o cair nas águas...

Continua...

Nenhum comentário: