sexta-feira, 22 de novembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 519

 - Captain America 12 (Outubro de 1997)
* "Let It Be", escrita por Jeph Loeb, desenhada por Joe Bennett e Ed Benes, artefinalizada por Homage Studios

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Capitão América n° 12 ("A Traição")

O vilão Doutor Destino ameaça a jovem Rikki Barnes, acusando-a de ser uma espécie de anomalia temporal. Isso acontece devido as recentes viagens no tempo feitas pelo vilão, com o intento de deter o fim do mundo diante da presença de Galactus, o Devorador de mundos. Na verdade, essa é quarta tentativa de Destino, sendo que nas três anteriores ele viu o mundo ser destruído. E uma vez que sua plataforma temporal foi avariada, esta pode ser sua última oportunidade de consertar as coisas, tendo apenas vinte e quatro horas antes do fim. Nessas tentativas, Destino percebeu que Rikki, de alguma forma, era alguém que não deveria estar ali. O Capitão América consegue salvar Rikki e ouvir a história do vilão.

Com a informação do que está por vir, o vilão se une aos principais heróis do universo para montar um plano de ataque a Galactus. A solução encontrada é utilizar o aparelho conhecido como Nulificador Total, que sobrecarregaria Galactus de energia, porém também vitimaria quem o portasse.

Rikki percebe a presença de um dos arautos de Galactus, o Surfista Prateado, que, apesar de servir a entidade, se compadece da humanidade e tenta alertá-los. Quando o Surfista parte, Rikki se agarra em sua prancha com o intento de ajudar alguma forma. Presenciando o esforço de sua parceira, o Capitão América a segue em sua aeromoto e pede que ela salte. Mas Galactus presencia a cena e a rechaça com uma rajada de energia. O Capitão consegue resgatá-la quando ela cai em um lago... mas a garota está em estado crítico. Com certo remorso por seus atos terem causado o incidente contra a inocente Rikki, o Surfista Prateado se oferece para levar o Nulificador Total. 

Levando o escudo do Capitão América como proteção, o Surfista Prateado usa o Nulificador contra seu mestre e acaba se sacrificando no processo. Mas o planeta está a salvo.

Dias depois, o Capitão América visita o túmulo de Abraham Wilson e percebe a presença dos avós de Rikki, Bucky Barnes e Peggy Carter Barnes. Nick Fury também comparece ao local, confirmando a informação de Bucky e Peggy de que Rikki estaria se recuperando em uma enfermaria da SHIELD. Fury ainda informa o Capitão que toda a história de sua rebeldia contra a decisão do presidente Truman no passado não passa de mentira plantada para convencê-lo a usar o uniforme novamente. O Capitão revela que já sabia disso, provando que não voltou a ser o Capitão América por uma necessidade pessoal.
A+:

* E esse é o fim da linha "Heróis Renascem", sendo que o epílogo desse "universo a parte" ainda seria mostrado a seguir. A confirmação de que a história sobre a discordância do Capitão com o presidente Truman é mentira, mostra uma tentativa de desconstruir, de uma vez por todas, toda a mitologia criada com essa saga, uma vez que esse acontecimento foi uma das bases para a reapresentação do personagem.

* Joe Bennett, nome artístico do paraense Benedito José Nascimento, ficou responsável pela arte do Capitão América nos momentos finais dessa saga. Antes disso, Benê Nascimento (como ficou conhecido no Brasil, na época em que publicava em revistas nacionais de terror) já havia desenhado na Marvel, mais especificamente em algumas histórias do Homem-Aranha.

* Enquanto vigiam sua base, capangas dos Filhos da Serpente discutem sobre a beleza das atrizes protagonistas dos seriados Jeannie É Um Gênio e A Feiticeira. Jeannie ( I Dream Of Jeannie ) teve sua série veiculada na TV de 1965 a 1970 (no Brasil, a partir de 1966, sendo reprisada eventualmente). Jeannie é uma espécie de gênio da lâmpada que atende aos pedidos de seu amo, o Capitão Anthony Nelson, que encontrou sua garrafa em uma ilha. As situações cômicas envolvem o interesse amoroso que surge entre os dois durante os episódios. Jeannie foi criada pelo escritor Sidney Sheldon. Já a Feiticeira (Bewitched), foi veiculado de 1964 a 1972 (no Brasil, a partir de 1965, com eventuais reprises) e conta história de um casal formado por um humano e uma feiticeira, Samantha, que é obrigada usar seus poderes (caracterizados por uma simples torcidinha de nariz), mesmo a contragosto do marido. Samantha era interpretada pela atriz Elizabeth Montgomery.

* Quando em Hollywood, o Capitão América faz uma comparação sobre a atualidade que mais parece um filme de Oliver Stone, sendo que ele preferia as películas de Frank Capra. Oliver Stone foi diretor de filmes mais críticos quanto à própria América. Nesse quesito, citam-se as obras Platoon (1986), Nascido em 4 de Julho (1989) e JFK (1991). Já Frank Capra ficou famoso por uma linha de filmes mais otimistas na década de 30, como Aconteceu Naquela Noite (1934) e Do Mundo Nada Se Leva (1938). A comparação também serve para se destacar a decadência da própria Hollywood enquanto "fábrica de sonhos" que foi no passado. A crítica é dirigida tanto para a indústria cinematográfica quanto a própria cidade.

* O Falcão apresentado nessa versão, apesar de usar um uniforme característico, não tem nele a capacidade de voo. Em suas poucas aparições, mostra-o saltando de prédio em prédio. As pequenas interligações do uniforme mostradas em seu novo uniforme (que antes serviam como uma espécie de planadores) estão ali mais como detalhe da vestimenta.

* A cena em que Rikki se agarra a prancha do Surfista Prateado e é atingida por Galactus, sendo socorrida pelo Capitão América, relembra a morte do Bucky original, onde, na Segunda Guerra, o ex-parceiro do Capitão América também se recusou a soltar um míssil, explodindo em pleno ar e desacordando o Capitão ao lançá-lo em águas geladas, que o congelaram por décadas.

* Os avós de Rikki, Bucky e Peggy, tem os nomes de personagens da mitologia do herói, respectivamente seu primeiro parceiro e a mulher que foi o primeiro interesse romântico do herói, dentro do universo Marvel.

Nenhum comentário: