quarta-feira, 18 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 490

 - Captain America 444 (Outubro de 1995)
* "Hope and Glory" - Escrita por Mark Waid, desenhada por Ron Garney e artefinalizada por Mike Sellers

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 98 n° 1 ("Esperança e Glória")

No memorial Jefferson, terroristas fazem como reféns o presidente americano, três agentes secretos e um cameraman. Para piorar a negociação inclui a presença do Capitão América... ou irão explodir o local com todos dentro. Os vingadores comparecem ao local, mas não revelam o destino do Capitão (que desapareceu na Mansão dos Vingadores, deixando apenas sua armadura, vazia, na cama).

O impulsivo Mercúrio arrisca usar sua supervelocidade e resgata um dos reféns. Lá dentro, percebe que os terroristas utilizam avançadas armaduras. Mas elas são mais do que isso. Cada um contém uma espécie de campo de força que detona um nanossegundo após a penetração. Eles são bombas humanas! Por muito pouco, Mercúrio não causa a morte de um refém. Prevendo um novo ataque do supervelocista, os terroristas aumentam esse campo para todos os outros e também para os reféns. Se houver uma próxima explosão... todos morrem.

McElroy, o agente federal responsável pela operação de resgate, se irrita com a ausência do Capitão América e se pergunta por que um herói tão "antiquado" é considerado tão importante. Os vingadores não gostam desse posicionamento e alguns deles se lembram da importância do herói. Gigante (Hank Pym) se lembra do dia em que o Capitão foi encontrado pela equipe original. Mercúrio se lembra como criminosos (ele mesmo, por exemplo) foram aceito nos vingadores pelo Capitão, tornando-os heróis. Hércules se lembra da batalha do herói contra o Caveira Vermelha, quando o vilão adquiriu o Cubo Cósmico.

Em uma atitude inesperada, os federais utilizam um simples agente e o vestem como Capitão América, para tentar ludibriar os terroristas. A vingadora Deathcry percebe que algo está errado e, assim que o agente parte, ela vai a seu encalço. Consegue resgatá-lo assim que recebe os primeiros tiros. A heroína percebeu um detalhe gritante, que também foi notado pelos terrorista: este "Capitão América" levava um escudo que tinha listras diferentes do  desenho do escudo original.

Mas o incidente com o falso Capitão América trouxe uma solução para a crise. Logo em seguida, os vingadores, liderados pela Viúva Negra, invadem o local. Utilizando seus poderes, conseguem separar e prender cada um dos terrorista. Acontece que Deathcry viu os terroristas dispararem através do campo de força, provando que suas auras explosivas estavam reguladas pra reagir a ataques de carne e osso... não a balas... ou outro tipo de ataque. Com isso, Crystalis faz com que surjam gêiseres que os separam e Hércules atira pedaços enormes de granito que os derrubam.

Ainda assim, um dos terroristas se esconde... e domina Mercúrio. Assim que está para detonar-se, matando também o vingador... um escudo atinge o terrorista e o derruba! Boquiabertos, todos os vingadores olham quem atirou a arma: o agente McElroy, utilizando o escudo do falso Capitão, que ficou no local.

Com os terroristas derrotados, os Vingadores são cercados pela imprensa, que quer saber por que o Capitão América não apareceu. Diante do fato, a Viúva Negra acha por bem não deixar que os repórteres desonrem a memória do herói, deixando o povo pensar mal dele. Diante das câmeras, a vingadora anuncia que o Capitão América faleceu vítima de uma doença. A última vez que foi visto, ele estava perdendo a batalha final contra ela.

Em outro local, cercado por soldados com equipamentos tecnológicos avançados, a transmissão é assistida por dois homens que se rejubilam pela ação com os terroristas. Tudo indica que foram os responsáveis pelo ataque... e que o resultado, com a Viúva revelando a verdade sobre o herói, era o esperado. Dentro da sala onde se encontram... cercado pelo que parece ser um campo de contenção, está o corpo inerte do Capitão América.

Continua...

4 comentários:

Anônimo disse...

Mark Waid é quem assume agora (por quanto tempo) ou foi só essa estória?

E ele é bom? Vc gosta da fase dele?


J.

Marcos Dark disse...

Sim. Waid é um ótimo escritor. Alguém que já atuava na parte administrativa da editora, mas que é um entusiasta da cronologia e grande conhecedor da mitologia de cada herói.

Sua fase foi muito marcante, elogiada e premiada. Só não durou mais do que merecia, pois foi bruscamente interrompida por uma (péssima) jogada de marketing da Marvel. Tanto que o fato marcaria a história da editora para sempre. Iriam perceber a besteira mais adiante, mas ficaria a cicatriz na história. Por enquanto, "deguste" a verdadeira viagem que Waid proporciona.

Anônimo disse...

Olá!!!

DM me contar algo q parece interessante e depois me deixar sem detalhes é cruel. O q vc quis dizer com: "(...) foi bruscamente interrompida por uma (péssima) jogada de marketing da Marvel. Tanto que o fato marcaria a história da editora para sempre."
Se vc não me responder aqui ao menos dá uma ótima coluna pro 'Prata da Casa', pense nisso :)

Beijos
J.

Marcos Dark disse...

Só não entra no Prata da Casa (que publico no site Impulso HQ: www.impulsohq.com ) porque estará longe do explendor da Era de Prata. Mas, sim, serei cruel e te levarei para esse verdadeiro trem fantasma da indústria dos quadrinhos. Segure-se.