terça-feira, 26 de março de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 327


 - Captain America 326 (Fevereiro de 1987)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América n° 134 ("Terror na Mansão Caveira")

História: 

* "The Hauting of Skull-House" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Paul Neary e artefinalizada por John Beatty e Kent Williams

Capitão América recebe uma temida chamada de sua linha direta. Afinal, trata-se dos seus colaboradores que vigiavam um dos locais mais temidos pelo herói: a Mansão do Caveira, onde lutou pela última vez com o Caveira Vermelha e onde o vilão faleceu em seus braços. O herói investiga novamente o local, uma vez que luzes foram vistas em alguns aposentos.

Apreensivo, o Capitão chega ao local e se dirige ao bunker subterrâneo onde batalhou com o vilão. Uma cegante luz aparece no local e, para seu temor, o próprio Caveira Vermelha surge para assombrá-lo. Ainda cético do que está vendo (e mesmo com o vilão tirando sua máscara), o herói segue a espectral aparição, que parece ter o corpo feito de névoa.

Na sala de jantar, o Caveira Vermelha revela que ele agora responde a uma autoridade superior e que sabe o remorso que o herói sofre após ter assassinato o terrorista do Ultimato. A única forma de redenção para curar esse mal... é o suicídio. Obviamente o Capitão reluta em aceitar essa alternativa. O Caveira revela, então, mais quatro fantasmagóricas figuras que tiveram suas mortes nos braços do herói: Modok, Porco Espinho, o Carrasco e o próprio terrorista. Imediatamente, o grupo começa a atacar o herói.

Capitão desconfia que tudo não passa de um truque. Talvez sejam robôs manipulados por outros vilões. Ao espancar seus agressores, nota que eles são bem sólidos. Mais que isso. Sua teoria sobre robôs cai por terra, quando percebe que eles são feitos de carne e osso. Talvez sejam bandidos vestidos como seus inimigos. Mas, se assim for, como se explica a forma de Modok. Isso se torna ainda mais inexplicável quando o herói consegue quebrar a joia na testa de Modok, por onde ele dispara raios mentais, e, logo em seguida, a mesma joia volta ao local, como se nada tivesse acontecido.

Seja qual for o truque, Capitão América consegue causar um desabamento e soterrá-los. No último instante, pensa se aqueles realmente não eram homens fantasiados. Se fossem, são mais quatro mortes em sua consciência.

Logo em seguida, novos espectros. Dessa vez são seu ex-parceiro da Segunda Guerra, Bucky, juntamente com seus pais e... Sharon Carter. Mesmo assim, seus amigos o aconselham a cometer suicídio. Ele se sente confuso, mas, no último instante, consegue espantar as visões.

De repente, todas as armadilhas da casa param de funcionar. Nas escadas acima, o Capitão encontra quem estava por trás das "aparições". O vilão Doutor Faustus. A especialidade de Faustus é justamente trabalhar e atormentar a mente de suas vítimas, muitas vezes utilizando aparelhos holográficos... o que deve ter causados as aparições. Mas o vilão está desmaiado, em choque. O Capitão América não sabe ao certo o que aconteceu. Só tem certeza que Faustus manipulou a situação devido a constatar a sala de controles com os equipamentos holográficos. A única coisa estranha, além de o vilão estar inconsciente, é uma estranha marca de unhas em seu pescoço. Afinal, será que uma das aparições era real? É uma questão tão incômoda quanto à impressão de uma risada que fica para trás, ao saírem da Mansão. A risada do Caveira Vermelha.

2 comentários:

Anônimo disse...

Que estória maravilhosa! Trabalha a culpa do cap, e ainda tem a Sharon por um instante <3

O CV já voltou? Não dava para ter ficado morto mais um pouco?

Jovie

Marcos Dark disse...

O Caveira Vermelha não voltou ainda.

Ainda.