sexta-feira, 8 de março de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 311


 - Captain America 311 (Novembro de 1985)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América n° 111 ("Trapaças")

História: 

* "Working" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Paul Neary, artefinalizada por Dennis Janke

Capitão América visita Constritor no hospital, após o vilão ser espancado pela Anaconda. Ele tenta conseguir alguma pista relacionada aos três vilões que enfrentou na noite passada, coincidentemente relacionados a cobras, mas Constritor teme represálias caso revele alguma coisa. O herói tem que sair do quarto para que a enfermeira aplique um medicamento no vilão. Porém, quando retorna ao quarto para dar um último aviso, Capitão América vê a enfermeira apontando uma arma para ele. Surpreendida, o disparo que ela faz atinge apenas o ombro de Constritor, ferindo-o mesmo assim, e foge pela janela.

Após a equipe de emergência chegar ao quarto, Capitão América persegue a atiradora, mas só encontra um uniforme de enfermeira e uma máscara de borracha com as feições da mulher.

Steve Rogers vai até os escritórios da Marvel Comics para tentar conseguir um emprego. O editor se mostra satisfeito com os desenhos dele e lhe oferece uma vaga como desenhista da revista... do Capitão América! Curiosamente é revelado que a revista do Capitão não tem tido boas vendas ultimamente e sua arte poderá alavancar a popularidade do herói, que estava prestes a ter seu título cancelado. Enquanto espera o roteiro que irá desenhar, Steve lê algumas cartas dos leitores. Uma delas chama a atenção, pois o garoto pede ajuda ao Capitão América (uma vez que não sabe como contatá-lo) devido a um monstro encontrado no celeiro de seu vizinho. Steve fica abalado com a sinceridade daquela carta. Uma última piada com sua visita na Marvel: um dos funcionários olha pra Steve e diz que ele seria perfeito para fazer um filme do Capitão América.

Enquanto Steve desenha animadamente os quadrinhos com as aventuras DELE MESMO, Bernie está estudando e revela sua nova vocação: irá tentar se formar em Direito. Steve comenta sobre a carta do garoto e Bernie o incentiva a investigar. Após conversar com o garoto por telefone, o Capitão América decide voar com uma nave dos Vingadores até Ohio.

O Capitão América encontra com o garoto que lhe pediu ajuda e seu pai, que o levam até o celeiro onde se encontra o suposto monstro. De fato há algo lá dentro: o androide gigante do vilão Pensador Louco. Assim que entra no local, a criatura é acionada e começa a atacar. O escudo do herói é inútil, uma vez que o androide tem uma constituição quase elástica. Assim que sai do celeiro, porém, o androide fica paralisado, como se estivesse vigiando algo. Capitão América desconfia que seja alguma instalação do Pensador e volta ao local, incitando a criatura a abrir um rombo no chão, que revela um compartimento secreto.

O herói investiga o compartimento, mas não encontra nada. É surpreendido pelo androide que tenta atacá-lo novamente. Dessa vez, o herói se agarra em seu pescoço e tenta atingir algum ponto vulnerável com seu escudo. Nada consegue e é atirado contra a parede do celeiro. Protegendo-se com o escudo, Capitão América atravessa a parede e estranha o fato do androide não persegui-lo. Pelo contrário, apenas se preocupa em tampar o buraco com feno.

Chega-se a conclusão que a programação do androide não está baseada em atacar, mas apenas em esperar pelo seu mestre, o Pensador Louco. Ao entrar no celeiro, o Capitão acionou uma espécie de dispositivo de autopreservação. O herói recomenda ao garoto e a seu pai que apenas não deixem ninguém chegar perto do celeiro. O androide não fará mal a ninguém se ficar sozinho e desativado.

No final, o herói se preocupa com o fato de que cidades distantes, como aquela, podem ter pessoas pedindo sua ajuda. Para alguém que diz defender os Estados Unidos, ele atua apenas em grandes cidades. Mas e o restante do país? 
A+:

* Na cena em que Steve Rogers tenta um emprego na Marvel, o editor que o atende é Mike Carlin, escritor de sua revista antes dessa fase.

SALA DE PERIGO

Quer ter esta história em sua coleção? Visite a Sala de Perigo, a loja oficial do blog Âmago, e adquira agora o exemplar nacional com esta história. Para ir ao anúncio desta revista, acesse o link abaixo:


Compre Capitão América 111

2 comentários:

Anônimo disse...

Olá!!

COMO vc defini uma coisa dessas: "Enquanto Steve desenha animadamente os quadrinhos com as aventuras DELE MESMO"? Narcisismo? Metalinguagem? Pq já não tenho certeza.
Por outro lado, eu aprecio a ironia.

"O herói recomenda ao garoto e a seu pai que apenas não deixem ninguém chegar perto do celeiro. O androide não fará mal a ninguém se ficar sozinho e desativado."
É sério isso? O Cap não ajudou, nem resolveu nada!!
E ele nem parecesse estar preocupado q um vilão tem um robô gigante apenas esperando ordens.
Tá certo q no mundo q o Steve vivo isso é corriqueiro, mas ele também não precisa ignorar o perigo q isso representa!
Acho q essa criança vai deixar de ser fã dele.

Beijos
Jovie

Marcos Dark disse...

Metalinguagem! De uma forma um tanto rústica, mas ainda metalinguagem.

Quando ao final da história do andróide, não sei como definir esse desleixo. Não é falha de roteiro, pois está bem claro o final dado. É puro e simplesmente absurdo mesmo.