segunda-feira, 4 de março de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 307


 - Captain America 307 (Julho de 1985)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América n° 106 ("Esse Mundo É dos Loucos")

História: 

* "Stop Making Sense" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Paul Neary, artefinalizada por Dennis Janke

Enquanto o Capitão América retorna da Inglaterra para os Estados Unidos, a vida de seu parceiro, o Nômade, não anda nada fácil.

Na identidade de Jack Monroe, o jovem herói procura seu lugar no mundo moderno e procura por um emprego... normal. Mesmo com um currículo que inclui nada menos que a SHIELD, Jack aceita trabalhar como empacotador em um supermercado. O emprego, bem mais simples do que ser um agente da SHIELD, lhe dá certa paz e tranquilidade em comparação com sua vida de herói. Jack se dá ao desfrute de até mesmo paquerar a caixa com quem trabalha.

Mas essa tranquilidade não dura muito. Nas imediações, um tipo peculiar de supervilão está atacando. Trata-se do Capitão Louco. Com uma roupa espalhafatosa e uma arma que dispara bolhas de sabão, o vilão enlouquece todos os cidadãos a sua volta. O pior é que, fazendo justiça a seu nome, Capitão Louco não parece querer nada, apenas enlouquecer a população e se divertir.

Jack se vê obrigado a abandonar seu posto e enfrentar o vilão como Nômade. O herói se descuida em duas ocasiões, onde usa força extrema contra o vilão. Em uma delas, para seu horror, pode ver que o Capitão Louco está completamente quebrado. Braços, pernas, costelas... o vilão cai ao chão em uma posição bizarra. Surpreendentemente, Louco simplesmente conserta as partes do seu corpo e age como se nada tivesse acontecido. Chega a deixar Nômade lhe dar um poderoso soco, que desloca sua mandíbula, só pra mostrar que a coloca no lugar com facilidade.

Capitão Louco dispara sua arma de bolhas no Nômade, que enlouquece e vê a si mesmo como uma mistura meio Nômade, meio Capitão América. Literalmente ao meio. Quando alucinação passa, Nômade percebe que o vilão fugiu. A população parece ter voltado ao normal. Um policial só se lembra de ter sido atacado por alguém com uma roupa colorida... e Nômade está com uma roupa colorida! O herói é obrigado a fugir para não ser preso.

Ao chegar ao mercado onde trabalha, Jack é despedido por ter abandonado seu posto. Ainda assim ele descobre que a caixa que paquerava está no hospital e decide visitá-la (com segundas intenções). Lá chegando, ela o apresenta a seu namorado. Ou seja, de uma vez só, o herói é acusado injustamente de um crime, perde o emprego e a chance de conquistar uma garota... Situação humilhante para a primeira aventura solo do parceiro do Capitão.
A+:

* Excêntrica estreia de Mark Gruenwald como roteirista do Capitão América. Gruenwald era, até então, editor da revista.

* Primeira aparição do vilão Capitão Louco.

* O nome da fórmula que deu poderes ao Capitão Louco é Composto X07.

* O título original desta história refere-se (inclusive citando na primeira página) ao filme de mesmo nome, onde são mostrados três shows da banda Talking Heads. Foi dirigido por Jonathan Demme, que anos depois ficaria conhecido como diretor do filme O Silêncio dos Inocentes. Trailer de Stop Making Sense :
 

SALA DE PERIGO



Quer ter esta história em sua coleção? Visite a Sala de Perigo, a loja oficial do blog Âmago, e adquira agora o exemplar nacional com esta história. Para ir ao anúncio desta revista, acesse o link abaixo:

Capitão América 106 na Sala de Perigo

8 comentários:

Anônimo disse...

Ohh, pobre Jack.

O Capitão Louco parece legal, mas não encontrei *nada* sobre ele, qual o nome no original?

beijos
Jovie

Marcos Dark disse...

O nome original do Capitão Louco é Madcap

Anônimo disse...

#facepalm aff, eu não vi o nome do Madcap na capa, tá ali na capa num balão azul! ¬¬'

Obrigada por me responder mesmo assim.

Oh e ele é interessante, queria q fosse mais explorado, mas pelo q li ele aparece pouco.

Beijos
J.

Marcos Dark disse...

É, o Capitão Louco é meio restolho do universo marvel mesmo. Mais recentemente, ele aparecem em histórias do Motoqueiro Fantasma. Como vê, um personagem para servir de pau pra toda obra, quando os grandões descansam.

Anônimo disse...

Que pena ouvir isso, o Madcap tem tanto *potencial*; com a estótia dele de como passou de um homem profundamente religioso para alguém que perdeu toda a fé e como isso o destruiu; afinal, a família morreu no acidente, os amigos morreram mas ele continuou vivo (e isso por si só já pode gerar 'culpa do sobrevivente') e se tornou algo diferente, afinal não é normal vc se machucar mas logo se regenerar, e tem também a loucura momentânea q ele evoca nas pessoas ao redor. Ele está sozinho, traumatizado e perdeu a fé. Não é à toa q ele enlouqueceu e acredita q a vida é uma piada.

Há temas legais para se abordar com ele sem soar como um sermão.

Enfim, ele poderia ser mais do que um vião de oitavo escalão *cofBatroccof*.

Beijos
Jovie

Marcos Dark disse...

É até um vilão que tem um bom potencial, se bem planejado. Quem sabe, um roteirista não desenterre esse potencial, um dia...

Anônimo disse...

Bem, tudo o q ele precisa é de um 'Roger McKenzie' né?

J.

Marcos Dark disse...

Muito bem observado!!!