quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 273



- Captain America 288 (Dezembro de 1983)
> Publicada no Brasil no Almanaque do Capitão América nº 89, pela Editora Abril ("Labirintos")

História: 

* "Mazes" - Escrita por J. M. DeMatteis, desenhada por Mike Zeck, artefinalizada por John Beatty

Na América decadente de 1999, o Capitão América fica a par de que a Corporação Brand criou uma arma dimensional e que, com ela, erradicou os principais super-heróis do passado. Com um mundo livre de seus defensores, os cientistas maléficos da Corporação, bem como outros grupos igualmente mal intencionados, dominaram o planeta. Entre os vilões daquela época, um deles se destaca. Trata-se de Hellinger, um cientista especialista em ciborgues que criou um novo corpo para si. Hellinger também é responsável por transformar Luther Manning no ciborgue Deathlok.

Na base do aliado Godwulf, Capitão América fica conhecendo outros rebeldes que lutam contra a tirania de Hellinger. Apesar de lutarem contra o vilão, faltava-lhes um líder para comandar um ataque. Capitão América consegue convencer que Deathlok é o líder ideal. Apesar de sua aparente frieza, ainda assim resta muito de humanidade para que ele tenha o brilho para liderar. Além do mais, o próprio Capitão inspira o grupo, como o símbolo de que necessitavam.

O grupo ataca a base de Hellinger e passa por diversas armadilhas, tendo seus integrantes separados no caminho. Capitão e Deathlok chegam até a sala do vilão, onde podem vislumbrar que ele se tornou um enorme ciborgue. Sua intenção é deflagrar uma série de explosões nucleares em volta da terra, erradicando a raça humana para iniciar uma raça de ciborgues.

Inicialmente, Deathlok ataca o Capitão, pois seu corpo, com partes biônicas, atende as ordens de Hellinger. Mas o próprio Capitão ao faz lembrar-se do homem que está por trás da máquina e Deathlok reage, destruindo/matando Hellinger.
A+:

* Existe uma defasagem na publicação de uma revista americana no Brasil, ou seja, uma história que sai lá hoje, só será publicada daqui a alguns anos por aqui. Essa regra talvez influenciasse na decisão da Editora Abril em ambientar o mundo do futuro em 1999 e não em 1993, como feito no original americano. Além do que, 1999 carrega toda aquela carga de fim do milênio.

Nenhum comentário: