terça-feira, 25 de dezembro de 2012

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 242

 - What If... nº 26 (Abril de 1981)
> Publicada no Brasil no Almanaque do Capitão América nº 78, pela Editora Abril ("O Que Aconteceria Se o Capitão América Fosse Eleito Presidente?")


História:

* "What If Captain America Were Elected President?" - Escrita por Mike W. Barr, desenhada por Herb Trimpe, artefinalizada por Mike Esposito

Na história onde o Capitão América é indicado para concorrer a presidência dos Estados Unidos, o herói decidiu não aceitar tal indicação. No entanto, o que aconteceria se ele tivesse aceito? Através do alienígena conhecido como O Vigia, nos é mostrada uma realidade alternativa, onde essa história tem um rumo diferente.

Nessa realidade, os dois principais concorrentes, Jimmy Carter e Ronald Reagan, parecem levar a dianteira. Mas o Capitão América acaba ganhando a eleição com o voto popular.

No dia da posse do Presidente América, o herói decide cumprir sua primeira promessa: tirar sua máscara e revelar sua identidade de Steve Rogers (para o choque de Bernie, que não imaginava que seu vizinho era o herói... e, agora, presidente). Ainda no dia da posse, um atirador tenta acertar o novo presidente, mas ele mesmo dá conta de capturá-lo (para o terror dos seguranças do serviço secreto).

Entre os vários feitos do novo presidente, está a construção de uma estação espacial, responsável pela captação de energia solar, reduzindo a dependência dos Estados Unidos quanto ao petróleo estrangeiro. Ele também apóia rebeldes no pequeno país sul-americano de San Pedro, auxiliando assim a eleger o seu presidente, Jacinto Morez, democraticamente.

O presidente Rogers visita Morez em seu próprio país. Porém, no Palácio Presidencial, o sul-americano revela ser, na verdade, o Caveira Vermelha! O vilão tranca o presidente em um calabouço. O Caveira ainda consegue controlar o coletor de energia solar para transformá-lo em uma arma. Ironicamente, para isso ele usa a tecnologia fornecida pelos Estados Unidos, quando estes apoiaram os rebelde de San Pedro.

Capitão consegue escapar de sua cela e sabota o coletor, que estava prestes a destruir Washington. Ao invés disso, a arma é direcionada para a própria capital de San Pedro, mais especificamente no Palácio Presidencial, matando o herói juntamente com o Caveira Vermelha.

Nos escombros é encontrado apenas o escudo do Capitão América, que é entregue para seu ex-parceiro, o Falcão, em seu simbólico funeral.


A+:

* Essa era a idéia inicial de Roger McKenzie e Don Perlin quando criaram a história do Capitão América presidente. No entanto, ela não teria final trágico. O personagem continuaria atuando como herói em sua revista mensal, mesmo com seus afazeres presidenciais. A idéia era ter um presidente super-herói.

* Roger Stern e John Byrne também ajudaram nessa história. Stern, inclusive, foi quem mais incentivou que ela fosse publicada, uma vez que seu próprio roteiro, onde é mostrado o Capitão recusando a candidatura, se baseava na idéia de McKenzie. Foi uma espécie de justiça em cima de uma história que, afinal, não era dele.

* Apesar do roteiro simplório, e até mesmo atropelando alguns acontecimentos, a história é recheada de crítica a política da época. Desde a dependência dos Estados Unidos diante do petróleo estrangeiro até o fornecimento de armas que culminaria no escândalo Irã-Contras.

* Na capa da edição americana, quem é retratado conduzindo a posse do Capitão América é Jack Kirby, desenhista e co-criador do personagem.

2 comentários:

Anônimo disse...

Olá!!!!!

Adorei a estória alternativa!

"...e revelar sua identidade de Steve Rogers" Isso SEMPRE falhou no passado quando Steven tentou. Ele deveria aprender com os erros....
Aww mas a Bernadette tinha chance de se tornar primeira dama!

Que final trágico esse Ç_Ç
Mas há certa poesia no fato do Cap e CV morrerem juntos.......
Ao menos o Sam aparece :) [E o Tony também foi ao enterro, né?]

"A idéia era ter um presidente super-herói." Já viu 'Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros' esse tipo de ideia não funciona, o filme é uma droga! Mas fora isso, vc consegue imaginar o tipo de problema q isso criaria? Steven chegando atrasado em reuniões com líderes de outros países pois estava desarmando uma bomba ou outra coisa....E isso é só UM exemplo....

"Na capa da edição americana, quem é retratado conduzindo a posse do Capitão América é Jack Kirby, desenhista e co-criador do personagem." Awww q fofo, adorei a homenagem. (Apesar do JK ter jogado a Sharon de escanteio qdo ele reassumiu a revista)

Beijos
Jovie

Marcos Dark disse...

As histórias alternativas, no estilo "O Que Aconteceria Se", tem um tendência a sempre acabarem de forma trágica. É um jeito de se passar a mensagem para o leitor que, por pior que esteja a situação do herói, haveria forma de ainda piorar mais.

Não vi Abraham Lincoln pois a idéia não atraiu minha curiosidade. No entanto, te recomendo ler Ex-Machina, onde um super-herói se torna prefeito e descobre que a política é muito pior do que enfrentar supercriminosos.