quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 197

 - Captain America and the Falcon 195 (Março de 1976)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América nº 15, pela Editora Bloch ("Mundo de 1984")


História:

* "1984!" - Escrita e desenhada por Jack Kirby, artefinalizada por D. Bruce Berry

Dentro da base dos Realistas, Capitão América e Falcão conseguem se libertar da cela onde estão presos com as criaturas embrutecidas criadas pelos criminosos. No meio da batalha, são interrompidos pela chegada de uma garota chamada Sheila Chadwick, respeitada pelo exército dos realistas, pois é a filha do líder deles.

Servindo como guia do local, Sheila leva os heróis até uma espécie de sala de treinamento do grupo, onde pessoas se mostram em transe ao assistir as ordens dadas por um rosto em um telão. É uma espécie de lavagem cerebral que os torna mais violentos, o que é demonstrado quando atacam como animais um boneco em uma forca (chamada de Máquina do Amor) e rotulado com "falso liberal". Segundo Sheila, tudo não passa de uma condicionamento e o rosto é totalmente criado por computador, não sendo de uma pessoa real (algo que os seguidores não sabem).

Assim que demonstram seu horror contra aquela imagem, os heróis são atacados por uma enorme mulher em uma armadura, ficando desacordados. Sheila informa a seu pai, via sistema de comunicação, que os heróis já sabem sobre a Bomba. Eles, ainda desacordados, são levados pela mulher de armadura.

Continua...

A+:

* No Brasil, o nome "Sheila" foi uma adaptação feita pela Editora Bloch, uma vez que, no original, a personagem se chama Cheer Chadwick.

* O título da história refere-se ao livro 1984, escrito por George Orwell (na verdade, pseudônimo de Eric Arthur Blair). Nesta obra, é retratado um regime de governo totalitário e repressivo, que controla e massifica a população. Como o livro foi escrito em 1949, refere-se ao ano título como sendo uma sociedade futuro. Nessa história, publicada em 1976, apesar de não se passar no futuro, a idéia de um tempo sombrio que ainda virá também tem o mesmo tom.

Nenhum comentário: