terça-feira, 6 de novembro de 2012

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 195

 - Captain America and the Falcon 193 (Janeiro de 1976)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América nº 14, pela Editora Bloch ("Bomba do Pavor")


História:

* "The Madbomb Screamer in the Brain" - Escrita e desenhada por Jack Kirby, artefinalizada por Frank Giacoia

Capitão América e Falcão disputam uma amigável queda de braço, enquanto Leila Taylor lhes prepara um café, quando, de repente, os heróis são tomados por uma fúria e ódio que quase o fazem destruir o apartamento. Mais que isso, a própria Leila também é tomada por uma fúria assassina. Fora do apartamento, a situação não parece melhor. A cidade inteira parece ter enlouquecido, com seus cidadão tomados por uma fúria destrutiva.

Quando o Capitão América, tentando controlar a raiva, tenta sair, ele encontra um pequeno dispositivo que parece estar causando o fenômeno. Usando toda sua força de vontade para conter a própria fúria, o herói utiliza seu escudo para destruir o dispositivo, encerrando assim a onda de loucura que abateu-se nas imediações.

Um agente da SHIELD chega até o local e chama o dispositivo de Bomba do Pavor, capaz de levar suas vítimas a uma loucura assassina. O agente leva o Capitão América e o Falcão até uma base do governo, onde poderão estudar tal arma. Estranhamente, para se entrar na base, os heróis passam por várias armadilhas, levando-os a acreditar que tudo não passa de uma conspiração do próprio governo americano. Ao chegarem em determinada sala, o secretário de Estado explica que as armadilhas foram feitas para testar se eles eram os verdadeiros Capitão e Falcão.

O secretário de Estado, explica que aquela foi apenas uma pequena bomba de pavor. Outra dela, do mesmo tamanho, havia destruído uma cidade inteira com sua onda de loucura. No entanto, as investigações da SHIELD mostram que uma versão bem maior da mesma bomba está prestes a ser lançada... e ser capaz de destruir os Estados Unidos.

A+:

* Jack Kirby retorna para a revista do Capitão América literalmente tomando-a para si. E não só pelo fato dele mesmo escrever e desenhar a própria. A impressão que se tem é que Kirby cria, a partir daqui, uma espécie de universo próprio do Capitão América, com novos personagens coadjuvantes e descartando muitos dos outros criados em sua ausência. Nem mesmo o mascote do Falcão, Asa Vermelha, foi poupado do corte. Algumas excessões, no entanto, aparecem vez ou outra, como é o caso de Leila Taylor, namorada do Falcão. O próprio Falcão mesmo só não foi descartado devido ao título ter ser firmado como "Capitão América e o Falcão". Curiosamente, NESTA EDIÇÃO, a revista chama-se apenas "Capitão América". Um susto que foi corrigido na edição seguinte.

* A idéia para a capa original dessa revista havia sido planejada para apresentar um efeito 3D (com a utilização dos famigerados óculos vermelho/azul).

* A volta de Jack Kirby é comemorada com ênfase na capa, algo que, até então, não havia sido feito para nenhum profissional daquela editora. Com sua volta, também vemos as famosas criações únicas e geométricas do desenhista. A própria Bomba do Pavor tem em seu interior o que parece ser uma miniatura de cérebro humano no lugar do que seria um chip. A grande bomba, mostrada no final, mostra um cérebro semelhante, mas em proporções gigantes em relação a nova bomba.

* O secretário de Estado mostrado na história é Henry Kissinger, diplomata americano na vida real ao qual é dado o crédito de obter o cessar fogo na guerra do Vietnã (apesar de ser confidente do presidente Richard Nixon).

* A volta de Kirby também acaba se tornando um grande planejamento para uma das maiores coincidência das histórias em quadrinhos. Aqui, como a saga mostrará, começa uma aventura para salvar os Estados Unidos de um ataque terrorista no bicentenário da independência daquele país. Coincidentemente, o climax se daria na edição de número 200, que seria publicada em julho de 1976, ou seja, EXATAMENTE no mês em que os Estados Unidos comemoravam seus 200 anos de independência. Uma coincidência muito bem sacada e planejada, já que o personagem título da revista, Capitão América, praticamente símbolo daquele país, não protagonizava a mesma desde seu primeiro número. A revista veio a se chamar Captain America já em seu número 100, sendo antes chamada de Tales of Suspense

4 comentários:

Anônimo disse...

"O secretário de Estado, explica que aquela foi apenas uma pequena bomba de pavor. Outra dela, do mesmo tamanho, havia destruído uma cidade inteira com sua onda de loucura." OMG, vc já assistiu 'The Crazies' (de 2010, no Brasil ficou como 'A Epidemia' e há 500 filmes com esse título por aqui; é com o Timothy Olyphant) o roteiro é bem parecido, não é exatamente uma bomba q faz as pessoas enlouquecerem mas é bem parecido.

"Um susto que foi corrigido na edição seguinte" Qdo vi a capa eu achei q tinham se livrado do Sam!!

JK não vai descartar a Sharon e a Peggy né????????

"Coincidentemente, o climax se daria na edição de número 200." E por acaso esse arco de estórias vai se encerrar no seu post nº200?? Porque ficaria bem legal, tipo os planetas se alinhando!

Beijos
Jovie

Dark Marcos disse...

JK não vai descartar a Sharon e a Peggy... Na verdade, ele vai ESQUECER (de propósito) a Sharon e a Peggy. Ou seja, ela só não vai ser descartada porque irá retornar. Mas Kirby não vê a importância de outros personagens coadjuvantes que não fossem os que ele criaria daqui pra frente para (afinal) o SEU personagem.

Pois é... passamos perto de ter um post nº 200. Mas não vai dar pra alinhar até lá. No entanto, levando em conta que o que desconfigurou esse alinhamento foram 2 edições de Marvel Two-In-One e a diferença dos 200 são justamente os 2... é algo pra se pensar... e de se arrepiar.

Anônimo disse...

Isso é horrível! Eu pensei q ter JK de volta seria fantástico, mas ele vai simplesmente ignorar todos esses anos e os personagens q surgiram só pq não foi ele quem os criou??????
Qto tempo JK ficaria desta vez?

Beijos
J.

Dark Marcos disse...

Pode colocar mais de um ano na fase do JK...