sexta-feira, 28 de setembro de 2012

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 155

 - Captain America and The Falcon nº 155 (Novembro de 1972)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América nº 26, pela Editora Abril ("A Incrível Origem do Outro Capitão América")


História:

* "The Incredible Origin of the Other Captain America" - Escrita por Steve Englehart, desenhada por Sal Buscema, artefinalizada por Mort Lawrence


Os homens que se passam por Capitão América e Bucky chegam até a praia onde Steve Rogers (o verdadeiro Capitão) e Sharon Carter vivem sua lua de mel. Nem mesmo a intromissão do Falcão impede que todos sejam capturados.

No cativeiro, todos ouvem a verdade sobre este mistério. O falso Capitão América foi um professor que era muito fã do herói. Fã a ponto de encontrar, na Alemanha, uma anotação onde se via a fórmula do supersoldado, a mesma substância responsável em tornar o franzino Steve Rogers no muscusloso Capitão América. Encontrando um rapaz com o qual começa uma amizade (e que também é fã do herói da Segunda Guerra, a ponto de se chamar Bucky), o professor replica a fórmula através das anotações e aplica em si mesmo e em seu novo amigo. De fato, há um aumento de força na dupla. Mas, diferente do que foi feito com o verdadeiro Capitão, não receberam o banho com raios vita. A dupla começa a agir como Capitão América e Bucky. Para se parecer ainda mais com o herói, o professor faz uma plástica que lhe dá o rosto de Steve Rogers.

O soro, no sangue da dupla começou a torná-los diferentes e eles chegam a espancar vários inocentes. São detidos pelo governo americano mas, ao que parece, alguém os descongela novamente.

Dentro do cativeiro, Capitão América, Falcão e Sharon conseguem escapar das cordas com as quais foram amarradas... e estão prontos para enfrentar o falso Capitão América.

Continua...

A+:

* Quando o Capitão América foi criado, na década de 40, por trazer os ideiais americanos, foi um sucesso imediato devido a Guerra Mundial que desenrolava. Com o final da guerra, no entanto, o personagem foi perdendo seu apelo, até ter suas histórias canceladas.

Na década de 50, surgiu uma nova tentativa que revitalizá-lo, dessa vez enfrentando comunistas ao invés de nazistas. Nessa época, por mais estranhas que parecessem, as histórias davam idéia de que se tratava de uma continuação do mesmo herói. Não fez lá muito sucesso. Nota algumas páginas desse período são utilizadas nessa história, quando o falso herói recorda seu passado.

Mas foi na década de 60, com a criação do Universo Marvel, que o herói voltaria a brilhar nos quadrinhos. E com um fator que foi importante para a mitologia do personagem. Fator que não existia nas décadas passadas: continuidade. Ela explicava que o Capitão América não sumiu dos quadrinhos, mas foi congelado, sendo trazido a vida décadas depois. O problema com essa explicação é que remetia ao herói que sumiu na década de 40. Mas, se assim fosse... onde se encaixavam suas "novas" histórias na década de 50?

Pois bem, para isso criou-se a explicação de que, nos anos 50, o Capitão América era OUTRA PESSOA. Aqui, esse OUTRO Capitão América é reinserido nos quadrinhos, fechando assim as lacunas editoriais que separaram o personagem do público durante alguns anos.

2 comentários:

Anônimo disse...

Nem clone nem robô, o problema era fã doido mesmo. Algo bem mais mundano :)

"Dentro do cativeiro, Capitão América, Falcão e Sharon conseguem escapar das cordas com as quais foram amarradas... e estão prontos para enfrentar o falso Capitão América." Francamente, a Sharon deve msmo é estar pronta para assassinar esse cara. Acho q NUNCA vi tanto cockblock com um casal canon (a não ser o Clark em Smalliville, ele levou uns 5 anos para..hum...ficar com a Lana)

Teve DOIS outros Cap America, aquele que não durou muito tempo, era Nasler?Ou algo assim e um outro - de qual desses dois vc está falando?????

Beijos
Jovie

Dark Marcos disse...

Esse é um terceiro Capitão América, Jovie. Pouco abordado pois durou pouquíssimo tempo.

Pelo visto a idéia de aproveitar o mesmo herói como símbolo para a Guerra Fria não colou muito.