terça-feira, 4 de setembro de 2012

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 141

 
 - Captain America and The Falcon nº 141 (Setembro de 1971)
> Publicada no Brasil na revista Capitão Z Especial nº 9, pela Editora Ebal ("A Incrível Aliança")


História:

* "The Unholy Alliance" - Escrita por Stan Lee, desenhada por John Romita Sr, artefinalizada por Joe Sinnott

O Capitão América encontra o Falcão transformado em pedra pelo Gárgula Cinzento, porém ainda se movendo (ao contrário de outras vítimas do vilão). Preocupado com o parceiro, o leva até o porta-aviões da SHIELD, onde Sharon Carter e mesmo Nick Fury não sentem que essa foi uma boa idéia.

De fato, nessa forma petrificada, o Falcão também está dominado mentalmente pelo vilão e ataca os agentes da SHIELD, permitindo que o Gárgula Cinzento consiga invadir o porta-aviões. Como medida de segurança, Nick Fury manda acionar o dispositivo que irá explodir a nave em três minutos. Na fuga da tripulação, o Gárgula transforma em pedra o próprio Fury e Sharon Carter, deixando o Capitão América praticamente sozinho e com pouco tempo para salvá-los. No meio da batalha, o herói faz com que o Gárgula toque o computador que controla a autodestruição, impedindo assim a tragédia.

Mesmo depois de salvar o aéro-porta-aviões, o Capitão América tem que evacuar a nave pois a mesma se aproxima da montanha onde está escondido o Elemento X, poderoso explosivo que o Gárgula ambiciona possuir. O Falcão, mesmo sob o domínio do vilão, consegue resistir tempo o suficiente para o efeito petrificante desaparecer e ele ajudar o Capitão América a levar as "estátuas" de Fury e Sharon. Porém, na confusão, o Gárgula consegue invadir a montanha, deixando o mundo a mercê de sua maior ameaça.

Continua...

A+:

* Para subir até o porta-aviões voador da SHIELD, seus agente são "puxados" por uma raio de tração chamado Raio Magna.

* Essa história marcava o último número da revista Capitão Z Especial em Cores, publicado pela Editora Ebal. Tendo o Capitão América como carro-chefe, a editora apostou nessa coleção diversificada com capa cartonada/plastificada e, diferente de suas publicações anteriores, em cores. Mas já vinha dando sinais de enfraquecimento, dando até explicações do porque da capa não vir plastificada na última edição (alto custo). Mesmo assim, as aventuras do Capitão América continuaríam a ser publicadas pela editora, só que na revita do Homem-Aranha... que também não estava tão por cima assim, tornando-se uma publicação bimestral.

2 comentários:

Anônimo disse...

Olá!

Naquela época quanto custava a revista em cores da Ebal? O preço entre essa e a versão em preto-e-branco era muito,muito grande??

bjos
Jovie

Dark Marcos disse...

Na verdade, Jovie, entre as edições de um mesmo título mensal tínhamos a galopante inflação que mudava drasticamente o preço de praticamente tudo.

Já o fato das revistas em cores... na época, ter as páginas coloridas e capa cartonada era considerado um álbum de luxo. Portanto, era vendido como um material mais caro e nem sempre vinha com mais páginas do que a versão "normal".