domingo, 29 de julho de 2012

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 106

 
 - Captain America 113 (Maio de 1969)
> Publicada no Brasil na Coleção Histórica Marvel nº 1, pela Editora Panini ("As Coisas Nunca São O Que Parecem")


História:

* "The Strange Death of Captain America" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jim Steranko, artefinalizada por Tom Palmer

O mundo todo fica chocado com a morte do Capitão América. A imprensa detalha, inclusive, que a identidade de Steve Rogers era uma farsa para o herói esconder sua verdadeira face (devidamente camuflada com uma máscara de borracha).

Os Vingadores e a SHIELD prestam suas últimas homenagens ao colega em seu funeral. A Madame Hidra, no entanto, não satisfeita apenas por sua organização ser responsável pela tragédia (ou, talvez, pelo corpo não ter sido encontrado), ataca no próprio velório do Capitão. Com um gás emanando de um cartão, todos os heróis são desacordados e acondicionados em caixões, para que sejam enterrados vivos. O único a escapar do ataque é Rick Jones, agora usando a identidade de Bucky, que os segue até um cemitério.

Rick tenta escapar das hordas da Hidra dentro do cemitério, mas recebe uma inusitada ajuda do... Capitão América? O herói retorna e dizima os asseclas da Hidra, salvando seus colegas do enterro improvisado. A Madame Hidra, em desespero pelo fracasso e seguindo o próprio código de ética do grupo, acaba se matando em uma explosão.

Capitão América explica a Rick Jones que simulou sua morte utilizando um boneco com seu uniforme e uma máscara de borracha. A intenção era fazer com que o mundo pensasse que a identidade de Steve Rogers não existisse e que, quando o herói retornasse, pensassem em se tratar de uma outra pessoa usando seu uniforme. Uma pessoa que não mais revelaria sua identidade, algo que não só o estava deixando vulnerável, mas a seus entes mais queridos também.

A+:

* A Madame Hidra conta parte de sua origem, revelando uma infância de perseguição e crime, que culminou com o assassinato do alto escalão da Hidra, quando tomou para si a organização.

Estranhamente, é citado que seu ódio está representado em uma horrenda cicatriz em seu rosto. No Universo Marvel, o recurso drámático de mostrar um vilão deformado chega a ser comum. Assim como é comum o detalhe de NUNCA revelar a deformação, dando uma idéia de que é algo tão terrível que não pode ser visto pelos leitores. No caso da Madame Hidra, esse recurso é reforçado por seus longos cabelos negros jogado em frente ao rosto. No entanto, mesmo com a mais fértil das imaginações, chega a ser difícil imaginar alguma cicatriz naquela aparentemente bela mulher.

* No funeral, entre os vingadores que comparecem (e carregam o caixão) está o andróide conhecido como Visão, que apareceu pela primeira vez na própria revista mensal dos Vingadores, em Outubro de 1968. Foi criado pelo robô-vilão Ultron e tinha a capacidade de modificar a densidade de seu corpo, indo do mais denso e instransponível até tornar-se intangível como um "fantasma", sendo capaz de atravessar estruturas sólidas.

* Há quem diga que a escolha do desenhista Jim Steranko para substituir Jack Kirby nas histórias do Capitão América fosse algo radical. Afinal, o herói pelo traço de Kirby era um tanto quanto truculento; já com Steranko o tom mudou radicalmente, permeado por quadrinizações e traços absolutamente psicodélicos, dando a impressão das páginas serem verdadeira alucinações do leitor. De fato, isso marcou uma mudança de tom nas aventuras do Capitão. E, apesar de Steranko não desenhar mais o Capitão em diante, é notável a sensação de término de uma era.

Uma curiosidade: Jim Steranko ficou famoso por introduzir a pop-art nos quadrinhos de uma forma nunca imaginada. Sua fama ia além do universo dos quadrinhos, sendo amigo de famosas personalidades artísticas fora desse meio. Entre seus mais inusitados contatos, está a amizade com o guitarrista Frank Beecher, da banda Bill Halley and the Comets. A grupo iniciou na cidade vizinha a de Steranko.

6 comentários:

Anônimo disse...

Olá!!!

Mas essa mulher é muito foda mesmo, não só desacordou vários heróis como também pretende enterrá-los vivos! [#chupaCircodoCrime #chupaCaveiraVermelha]
Esse tipo de estratédia lembra a Era de Ouro quando o Cap eliminava de forma cruel os inimigos.

Mas é claro que o RJ escapou.

E o Cap poderia ter se atrasado só um poquinho mais, se RJ não conseguisse escapar da Hidra sabe como é né, Darwin e a seleção natural, sobrevivência do mais forte...essas coisas.

O Cap foi esperto, agora ele pode retornar a vida dele sem a imprensa e os criminosos atrapalahando e levar a Sharon em algum encontro!!!

Pegunta! O arte finalizado não tem importância? Você sempre marca o cara que faz isso, mas só comenta de quem realmente fez o desenho.

Beijos
Jovie

Dark Marcos disse...

O artefinalista tem vital importância sim e já levei um puxão de orelha do próprio Al Gordon (finalista da Liga da Justiça nos anos 80) por não citar seu nome nos artigos.

Acontece que tento fazer uma espécie de link para uma busca mais visual. Ou seja, se você fizer uma busca por argumentistas em um buscador de imagens, irão aparecer capas de suas obras. De desenhistas, artes de sua autoria. De artefinalistas... artes da autoria do desenhista que acompanha.

Não é menosprezando a classe, muito pelo contrário. Mas o finalista tem essa sina de acompanhar o desenhista. Existem casos extremos em que o finalista é tão bom que acaba dando um visual diferente para o desenhista principal... isso quando não melhora a própria arte. Nesse quesito, o colorista também é importantíssimo.

É claro que, sempre que um trabalho de artefinal se destacar dos demais, ele será citado no artigo.

Anônimo disse...

Olá!
"e já levei um puxão de orelha do próprio Al Gordon por não citar seu nome nos artigos." Mas isso é muito legal!! (Wikipédia não deve ser subestimada)

"De artefinalistas... artes da autoria do desenhista que acompanha." Então eles são uma classe pouco apreciada...

Ok.

Beijos
Jovie

Dark Marcos disse...

Como diria Omar Viñole, artefinalista e grande amigo meu, "artefinalista é o artista das sombras". Literalmente...

Anônimo disse...

"arte-finalizador" ou artifinalista?

Marcos Dark disse...

É mais comum se ouvir "arte-finalista".