segunda-feira, 19 de setembro de 2011

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 487

 - Legionnaires 78 (Dezembro de 1999)

História:

* "Emissary" - Escrita por Dan Abnett e Andy Lanning, desenhada por Jeffrey Moy, artefinalizada por W. C. Carani

Brainiac 5, Aparição, Cósmico e Monstra levam a nave da Legião até um enorme cargueiro espacial onde a tripulação parece ter sido atacada e congelada. Descobrem que o local está infestado de robôs militares aposentados a séculos, mas que voltaram a funcionar e a atacar tudo que se move. Os robôs reagem quando o nome de Brainiac 5 é mencionado, mudando o foco de seu alvo principal para o herói. Este, por sua vez, consegue reiniciar o programa Asimov de cada um deles, impedindo-os de ferir alguém.

Quando voltam pra casa, os legionários percebem que algo estranho está acontecendo com os portais estelares (atalhos dimensionais criados por R. J. Brande para que as naves saltem de um ponto a outro do universo), fazendo com que uma onda de estranha energia destrua tudo em seu caminho. O problema é que há vários portais espalhados pelo espaço e a próxima onda de destruição segue para... a Terra.

Continua...

A+:

* O Programa Asimov, que controla os robôs militares que atacam os legionários, leva o nome do escritor russo Isaac Asimov,
famoso por suas obras de ficção científica. Em um dos seus mais conhecidos livros "Eu, Robô", Asimov apresentava as três leis da robótica que nessa história é adaptada para o futuro dos legionários. São elas:

- Primeira Lei da Robótica: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal (adaptada para: Um robô não pode ferir qualquer forma de vida humanóide);

- Segunda Lei da Robótica: Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei (adaptada para: Um robô não pode cometer um ato que venha direta ou indiretamente ferir qualquer forma de vida humanóide);

- Terceira Lei da Robótica: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e a Segunda Lei (adaptada para: Um robô não pode, por inação, permitir que qualquer forma de vida humanóide seja ferida).

* O vírus que invade os robôs militares, fazendo-os se tornar uma ameaça, é chamado de Metallo. Este é o nome de um dos vilões do Superman, que tinha sua consciência humana dentro de um corpo robótico com coração de kriptonita (elemento mortal para o herói) e era capaz de controlar e moldar outras máquinas

Nenhum comentário: