domingo, 1 de maio de 2011

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 350

 - Legionnaires 26 (Junho de 1995)

Histórias:

* "Authority" - Escrita por Tom McCraw e Tom Peyer, desenhada por Jeffrey Moy, finalizada por W. C. Carani

Ultra Rapaz, da Workforce, convida Aparição, da Legião dos Super-Heróis, para um passeio. Os dois são pegos pelo afetado Leland McCauley, que convoca o herói para uma nova missão. Percebendo que Aparição está ao lado, McCauley fica amável e mostra-se contente com a "visita" (afinal, mais um legionário em seu grupo é um ponto de honra).

Juntamente aos outros colegas (inclusive a ciumenta Garota Aranha), Ultra Rapaz participa de uma missão para impedir o roubo de materiais do próprio McCauley. No calor da batalha, um dos ladrões revela o envolvimento do próprio bilionário em suas ações e isso se torna desconfiança para o grupo. Aparição não fica nada contente com o que vê. Relâmpago, o ex-legionário que trabalha para McCauley, também se revolta. Ultra Rapaz fica dividido entre a fé que ainda tem em seu grupo e as duras palavras de Aparição. Ele fica com o grupo, decepcionando a legionária... o que agrada a Garota Aranha, que vê o romance entre os dois ir por água abaixo.

Interessante o tratamento dado ao romance de Ultra Rapaz e Aparição, sendo que décadas atrás os dois personagens tiveram um separação um tanto quanto trágica.

Satúrnia recebe a visita de seu mentor, conterrâneo de seu planeta, que tenta reverter a sua mente depois desta ser destroçada pelo durlaniano vilão. Mas a tentativa parece não ter sido satisfatória e ela apenas consegue dizer "Olá, Cósmico" o tempo todo.

Na sede da Legião, os heróis são surpreendidos com a queda de um corpo em suas dependências... e trata-se de uma legionária ferida, ou pior, a mais poderosa legionária que está ferida... Andrômeda.

Continua...

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi Marcos..

Essa separação trágica que diz o texto refere-se a morte dela em outra linha temporal. E que nessa nova versão tudo leva a crer que ainda teremos muitos momentos conturbados como esse. Tadinha dela..!!

Vejo muita interatividade nessas histórias também. Incrível como o autor cria seu próprio universo num legado tão extenso. E nós, leitores, nos importamos genuinamente com esses personagens, mas também não significa que temos alguma timidez de criticar quando está fazendo algo que nos desagrada. Não é verdade??

Adoro essa leitura!

Carmem Magalhães

Dark Marcos disse...

Na verdade, por se tratar de uma "indústria" de quadrinhos, existe uma óbvia influência do leitor na obra. Claro que o autor coloca muito de seus planos em cada história (ou saga). Mas também existe o fator de se estar agradando... afinal, a revista PRECISA continuar.
É mais ou menos comparado ao que Joss Whedom (diretor do filme Vingadores) afirmou sobre o público: fazer um filme é um trabalho em equipe, e o público tem grande importância nesse processo, logo, também faz parte da equipe.