terça-feira, 4 de janeiro de 2011

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 256


- Adventures of Superman 476 (Março de 1991)
.
Histórias:
.
* "The Linear Man" - Escrita por Dan Jurgens, desenhada por Dan Jurgens

Super-Homem perdido no tempo e a Legião, primeiro encontro (de três)

A interessante saga Perdido no Tempo mostra o Super-Homem sendo involuntariamente jogado em várias épocas do passado e do futuro. No que se refere ao passado, é uma forma de homenagear histórias do herói em outras épocas (onde esse tipo de recurso era comum) além de encontros com outros personagens que não de sua época. Já as viagens ao futuro, todas elas são com versões em três épocas diferentes da Legião dos Super-Heróis. A saga torna-se, portanto, uma espécie de encontros (ou atualização) do Super-Homem com os legionários.

O Super-Homem possui, nos Estados Unidos, diversas revistas mensais que se interligam. Cada uma delas é feita por uma equipe criativa, variando escritores e desenhistas, mesmo que a mesma história ou saga (como nesse caso) tenham continuidade dentro das séries. Nos encontros com a Legião, ocorridos no título Adventures of Superman, vemos apenas um dos envolvidos nas histórias. Trata-se de Dan Jurgens, que cuida do roteiro e dos desenhos.

Vale lembrar que o homem de aço, até então, só havia tido um único encontro com uma das versões da Legião (versão que não é nenhuma das três aqui apresentada) quando foi resolvido a questão do falso Superboy criado pelo Senhor do Tempo. No futuro (ou nos futuros) da Legião, o Superboy defininitvamente não existe (a inspiração da criação do grupo foi trocada por Mon-El, que agora se chama Valor) e o Super-Homem é uma famosa lenda do passado.

Editorialmente, o Superboy foi eliminado uma vez que a reformulação do Super-Homem na década de 80 mostra que ele desenvolveu seus poderes já adulto, e não na pré adolescência. Mas a saga Perdido no Tempo nos faz pensar se não seria muito mais simples, já que não queriam que o Superboy existisse, se a Legião não fosse inspirada no próprio Super-Homem. Se assim fosse, não haveriam tantas reviravoltas e reformulações dos personagens. Enfim...

As viagens do Super-Homem, que é jogado pelas épocas tal qual uma bolinha de borracha, começa quando o personagem Homem Linear, uma espécie de policial que cuida das viagens no tempo e suas implicações, vem até o presente para caçar o Gladiador Dourado. O Gladiador é um herói que veio do futuro (não o da Legião), roubando vários artefatos para usá-los a seu favor no passado e ganhar certa notoriedade com isso. Mesmo com suas ações como herói, é caçado como criminoso pelo Homem Linear.

Ao tentar defender o Gladiador, Super-Homem danifica o aparelho de viagem temporal do Homem Linear e é jogado, primeiramente, para o futuro. Lá ele encontra a versão primária da Legião dos Super-Heróis, ainda formada por Cósmico, Relâmpago e Satúrnia (o trio fundador), que ficam abismados com uma lenda do passado em seu tempo (algo que é confirmado graças aos poderes telepáticos de Satúrnia).

Mesmo não reconhecendo os três jovens, Super-Homem os ajuda a impedir que um poderoso explosivo seja detonado no centro da Metropolis do futuro. Mas, quando tenta deter uma das explosões, ela lança o homem de aço para outra época, deixando os boquiabertos e novatos legionários sem saber o que realmente está acontecendo.

Nenhum comentário: