terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 46


- Superboy 125 (Dezembro de 1965)

Histórias:

* "The Sacrifice of Kid Psycho" - Escrita por Otto Binder e desenhada por George Papp

Psíquico.

Vou precisar de muita terapia depois de ter lido esta história...

Chamar Psíquico de herói soa até meio estranho, mesmo que isso se justifique. Confesso que o pouco que conhecia do personagem era sua breve (e bota breve nisso) participação na saga Crise Nas Infinitas Terras. Até aí, mais me parecia um personagem que usava turbante que foi criado meramente para... sei lá... cumprir a cota de indianos (desculpem o estereótipo preconceituoso) dentro do mundo dos super heróis. Mal sabia eu que aquele "turbante" escondia segredos que desafiavam minha ignorância.

O herói de turbante conhecido como Psíquico surge em Smallville e mostra ser muito útil ao ajudar o Superboy. Seus poderes faziam com que fosse capaz de produzir uma espécie de campo de força poderosíssimo que ele usava das mais diversas e criativas formas. Até aí, começo a rir do estereótipo do indiano de turbante e o poder "psíquico" que remete a um misticismo transcedental.

Intrigado, Superboy conhece um pouco mais desse heróico ajudante. Ele usava turbante para esconder a deformidade em seu crânio (e é aqui que páro de rir), já que nasceu com um cérebro enorme, o que provavelmente seja a fonte de seus poderes. A origem dessa deformidade deve-se aos seus pais, astronautas, terem ficado expostos a radiação durante uma missão.

Vindo do futuro, Psíquico teve a chance de demonstrar seu eficiente poder a Legião dos Super-Heróis. No entanto, mesmo se mostrando utilíssimo (seu campo de força conseguia deter vários legionários ao mesmo tempo)... misteriosamente ele é... rejeitado! Indignado com o resultado da seleção, o jovem herói volta ao passado e procura Superboy, a inspiração do surgimento da Legião, para que esse possa, pelo menos, conseguir uma satisfação do porque de sua rejeição. Superboy, que também está surpreso com a decisão de seus colegas, decide viajar ao futuro e conseguir a resposta.

Diante dos legionários, Superboy questiona o porque de não terem aceito alguém com um poder que é tão útil. É então (e aí vem o tiro de misericórdia em mim, que já me sentia culpado por ter rido no começo) que aparece o boletim médico de Psíquico. Nele, os exames mostram que a cada vez que ele usasse seu poder... perderia um ano de vida! O jovem, mesmo sabendo de seu destino, diz que deseja servir a Legião... nem que isto custe sua vida. Tocados pela coragem do herói, os legionários decidem torná-lo um membro reserva, utilizando seus poderes apenas se uma grave crise ocorresse.

E eu, que tanto me divertia com as situações e personagens absurdos dessa época das histórias em quadrinhos, me recolho sentindo-me um ser humano muito, muito pior...

Nenhum comentário: