sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 251


- Legion of Super-Heroes 15 (Fevereiro de 1991)
.
Histórias:
.
* "War: Part 1" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, desenhada por Keith Giffen e Brandon Peterson

A raça alienígena belicosa conhecida como khúndios invadem o planeta Orando, onde a Princesa Projectra (uma ex-legionária que chegou a ser conhecida como Sensora) reina. A Legião dos Super-Heróis, agora reconhecida como um grupo universal, é recrutada para expulsar os invasores. Mas, de fato, encontram um verdadeiro front de guerra e uma das integrantes, Violeta, acaba perdendo a perna em uma explosão.

Keith Giffen, desenhista que já havia abolido os uniformes da Legião anteriormente, trocando-os por jaquetas personalizadas, define os novos "uniformes" como jaquetas mais simples, com o símbolo da Legião estampada. A única forma de identificar os personagens são por suas feições ou mesmo por suas personalidade, já que as jaquetas nem mesmo são coloridas com as cores dos antigos uniformes dos heróis. Essa mudança se mostra ineficaz quando nas mãos de outro desenhista, como é o caso de Brandon Peterson, onde os personagens se perdem dentro do próprio agrupamento e o leitor muitas vezes tem que se valer dos nomes dos personagens sendo chamdados dentro do próprio balão.

Primeira parte da Guerra entre Khúndia e Orando.

Continua...
 

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 250


- Legion of Super-Heroes 14 (Janeiro de 1991)
.
Histórias:
.
* "My Dinner With Tenzil: part 2" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen

Mais uma cômica história com o não menos cômico Digestor. Essa quebra radical no clima sombrio que permeia as histórias da Legião dos Super-Heróis parece ser uma espécie de versão das histórias da Legião dos Heróis Substitutos. Claro que em um grupo reduzido, já que há apenas dois heróis: o já citado Digestor e Polar.

Aqui a dupla enfrenta um antigo e obscuro inimigo da Legião: o príncipe Evillo. Inicialmente as coisas começam em uma amigável conversa entre os dois lados, como se não houvesse ameaça nenhuma a ser enfrentada. Logo, Evillo manda Digestor para a dimensão das trevas, algo muito parecido com o Inferno, onde as almas são torturadas de formas inusitadas. Cada alma é representada por uma vela acesa. Há uma vela gigantesca central que não pode ser apagada pois algo terrível pode acontecer (sendo que ninguém sabe ao certo o que é esse algo terrível que pode acontecer).

Digestor, mesmo diante dos horrores que vislumbra (seu guia é um cadáver podre) mantém seu bom humor e língua afiada para fazer observações absurdas sobre a dimensão ao qual foi condenado. E, claro, arruma um criativo jeito para apagar a gigantesca vela. Quando isso acontece... a dimensão das trevas é desfeita e os mortos voltam para a dimensão dos vivos, mais especificamente para o castelo do Príncipe Evillo. Inclusive as ex-esposas do vilão, que voltam sedentas de vingança... ocupando-o o suficiente para que o herói escape.

E, com essa forma cômica e criativa de resolver crises (e até mesmo sair do Inferno), Digestor, que ao tempo todo cita o fato de ser um senador de seu planeta, decide procurar seus companheiros da Legião pois sente saudades de salvar o universo novamente.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 249

- Legion of Super-Heroes 1 Annual (Novembro de 1990)
.
Histórias:
.
* "Charade" - Escrita por Mary Bierbaum e Tom Bierbaum, desenhada por Dougie Braithwaite

O primeiro anual da nova fase da Legião dos Super-Heróis tenciona pôr ordem na casa (ou bagunçar mais ainda, dependendo do ponto de vista) no que se que refere a origem do grupo. Desde que a poderosa Glorith reformulou o universo com sua magia e, posteriormente, assassinou e tomou o poder do Senhor do Tempo, certos fatos foram manipulados de forma que a antiga origem da Legião já não mais valesse e novos detalhes deveriam ser reescritos.O mais estranho dessa reformulação aqui apresentada é que um personagem inusitado é o centro das atenções desse turbilhão: trata-se do Ultra Rapaz.

De certa forma, com a saída de Mon-El do grupo, Ultra Rapaz de fato é o mais poderoso integrante da Legião. Porém, isso se refere a força física, e não a um poder cósmico propriamente dito. Acontece que sua mente tem lembranças de detalhes da nova origem da Legião (desde a inspiração de Valor - antigo Mon-El - no passado até a morte de personagens importantes) em uma riqueza de fatos que dão a impressão de que ele é testemunha de uma grande conspiração temporal.

A história, a partir do momento em que adentramos suas lembranças, mostra sua origem muito antes de ganhar seus superpoderes. Com uma adolescência marcada pela delinquência, o jovem Jo Nah adquiriu invulnerabilidade por simples acidente, o que o levou a Legião.

Vários fatos importantes das histórias passadas da Legião são mostradas de seu ponto de vista, porém com as devidas reformulações em pontos chaves que já não fariam mais sentido nessa época. Alguns desses detalhes são curiosos para quem conhece a mitologia da Legião. A batalha contra o Senhor do Tempo, por exemplo, é mostrada com alguns detalhes atualizados. Na verdade, o grupo luta contra Glorith no planeta Daxam e integrantes como Laurel Gand participam da empreitada. É nessa batalha que a vilã invade a mente de Satúrnia e ficamos sabendo mais sobre as origens do Ultra Rapaz (Satúrnia havia ficado estarrecida com o que descobriu na mente do colega anteriormente).

A arte de Braithwaite é regular nessa edição (algo comum nos anuais) e o roteiro dá grandes saltos de quadro em quadro, para não tornar a história longa demais. Apesar desses saltos, a narrativa é bem construída graças a recordatórios que guiam o leitor por essa imensa bagunça.

O saldo negativo, do ponto de vista do grupo, fica por conta da morte (desnecessária) da personagem Etérea. Na época, imaginou-se que essa morte seria uma espécie de exílio na personagem no passado, onde uma heroína parecida integrou a L.E.G.I.Ã.O. (uma milícia espacial muito parecida com a Legião dos Super-Heróis do futuro, que dava a idéia de que eles seriam o embrião do grupo). Esse fato foi desmentido adiante e a personagem, de fato, continuaria morta por um tempo.


segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 248


- Legion of Super-Heroes 13 (Novembro de 1990)
.
Histórias:
.
* "State of The Universe" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen

As coisas começam a se assentar para a Legião dos Super-Heróis e o grupo começa a se impor diante desse novo e sombrio universo. Há novos integrantes curiosos, como o misterioso Kent Shakespeare, que consegue não só escapar do Persuasor, como também capturá-lo.

Apesar de nem todos os integrantes estarem reunidos (uma constante até mesmo nas antigas histórias da Legião), todos parecem estar bem. Mesmo Ultra-Rapaz que foi parar em uma colônia alienígena khúndia após a batalha com Roxxas.

No final dessa edição, o Senhor do Tempo, ilhado no universo compacto que criou, após ser destruído por Mon-El, chama a atenção da feiticeira Glorith para que essa una forças com ele. Porém, a vilã está tão poderosa (lembre-se que foi ela quem destruíu a realidade onde Mordru dominava o universo) e é capaz de não só destruir o Senhor do Tempo, mas também de pegar todo o seu poder.
 

domingo, 26 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 247


- Legion of Super-Heroes 12 (Outubro de 1990)
.
Histórias:
.
* "The Legion of Super-Heroes" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen

A surra que a Legião dos Super-Heróis levou do psicopata Roxxas serviu de alguma coisa, afinal. Reunindo-se, os membros que já se recuperaram são designados a missão de capturar seu agressor. É, oficialmente, a volta do grupo e isso repercute até mesmo nos meios de comunicação, incomodando os alienígenas Domínions que conquistaram a Terra.

Mas o outro grupo de legionários, liderados por Transmutador são quem tem o primeiro contaTo com o vilão. Como se já não bastasse a loucura sádica deste, agora ele se mostra mais insano já que se encontra deformado e sua fixação com a aparência era seu maior orgulho.

No meio dessa caçada, surgem novos mistérios. Uma estranha luz verde envolve uma das feridas em recuperação, milagrosamente trazendo-a a vida. Um dos delírios que ela tinha enquanto ferida, era de ter encontrado um estranho anel no cadáver de um alienígena... um anel de Lanterna Verde. Mas antes que surjam especulações, é bom lembrar de uma antiga e falecida vilã da Legião que também tinha o tema verde como sua marca...

Outro mistério é o surgimento de um poderoso civil chamado Kent Shakespeare que tenta deter a fuga do vilão Persuasor e está prestes a ser executado por este.

Continua...

sábado, 25 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 246


- Legion of Super-Heroes 11 (Setembro de 1990)
.
Histórias:
.
* "Tenzil for the Defense" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen e E. Craig Brasfield

Depois da barra pesada da última edição, onde os legionários foram massacrados pelo vilão Roxxas (e agora estão sob os cuidados de Brainiac 5, sendo que alguns em estado gravíssimo), temos uma história muito desencanada, descompromissada... quase irresponsável. Bem ao estilo que Keith Giffen escreve quando está de bom humor (às vezes humor negro, mas ainda assim bom humor).

Giffen foca a história em um dos legionários mais bizarros que já existiram, o Digestor. O poder do personagem é comer qualquer coisa que lhe apareça pela frente, uma vez que seu corpo é capaz de digerir até aço, rochas e outros materiais.

Um personagem tão bizarro deveria ter uma vida idem. Portanto, aqui ele é mostrado como uma mescla de ator canastrão, advogado e arqueologista. Tudo da forma mais picareta que se possa imaginar. Ah, sim... como se não bastasse essas atividades extra curriculares, Tenzil (seu verdadeiro nome) é um dos mais importantes nomes na política de seu planeta natal. Mas, assim como é difícil levar a sério seu poder... ele mesmo pouco se importa pra tudo o que faz.

Sua missão aqui é defender Polar, que está preso a dois anos simplesmente por discordar do governo da Terra (secretamente manipulado pelos alienígenas Domínions). Seus argumentos de defesa mais irritam o juiz do que convencem. Questiona, por exemplo, sobre o anel da Legião que Polar carrega no dedo. O herói de poderes congelantes explica que aquele nem mesmo é um anel da Legião de verdade, apenas uma réplica que adquiriu para lembrar os velhos tempos. Digestor retruca dizendo que, na verdade, aquele é um anel de Lanterna Verde. E prova sua afirmação atirando uma torta gosmenta na cara de Polar... Sua justificativa é que os anéis dos Lanternas Verdes não conseguem bloquear a cor amarela e... como a torta era amarela... O restante do julgamento não é mais sério que isso. Mas Digestor é um picareta tão cara de pau que acaba encontrando uma brecha para libertar o ex-colega.

Nada melhor que dar risadas depois de um massacre sangrento da última edição. Nota para a sequência em que Digestor apresenta teorias arqueológicas absurdas. Diante de uma descoberta que o leitor mais atento perceberá que nada mais é do que a antiga batcaverna, esconderijo de Batman (lembre-se que as histórias da Legião se passam mil anos no futuro), o herói afirma que trata-se de uma descoberta do tempo pré-histórico, por encontrar uma réplica de dinossauro, e que também ali viveram presidentes americanos gigantes, por encontrar uma moeda americana gigante. Acontece que essas eram meras lembranças ou troféus das aventuras de Batman no passado. Nem mesmo encontrando uma porção de batrangues (os bumerangues em forma de morcego que Batman usava), Digestor dá o braço a torcer.

Para alguém que se chama Digestor, as artimanhas do herói nada mais são do que intragáveis. (desculpem o trocadilho infâme... foi influência dessa história).
 

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 245


- Legion of Super-Heroes 10 (Agosto de 1990)
.
Histórias:
.
* "Roxxas Strikes" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen e Paris Cullins

Até agora, Roxxas é o vilão mais sanguinário e psicopata que a Legião dos Super-Heróis já enfrentou. Relegado a ser mais um vilão secundário dos muitos que surgiram na década de 60, aqui ele mostra o peso de sua sede de sangue ao massacrar, literalmente, um a um dos legionários.

O vilão consegue invadir a nova base do grupo, na verdade a casa de Relâmpago onde os remanescentes da Legião se reúnem mais para relembrar os velhos tempos do que formalizar um reinício. Tendo conhecimento das capacidades de cada herói, Roxxas utiliza vários apetrechos adequados a cada situação que enfrenta. Ainda assim, seu sadismo está acima de qualquer estratégia e ele direciona seus ataques mais a torturar do que simplesmente derrotar seus inimigos.

Em contraste com este novo degrau da vilania, vemos o Senhor Relâmpago, antigo inimigo da Legião (irmão de Relâmpago) ficar passivo diante do ataque, mas chocar-se com tamanha crueldade. Para esse vilão a moda antiga, era aceitável que a Legião fosse humilhada, mas não era necessário tanto sangue frio com as "vítimas". E, por ser um vilão ponderado, Senhor Relâmpago também é vitima de Roxxas... pagando sua intervenção de forma dolorosa e humilhante.

Roxxas de fato tem o visual e o temperamento de um psicopata superinteligente e que sente prazer com a dor alheia. Utilizando roupas espalhafatosas e preocupado com sua maquiagem e cabelo, esconde por trás de um ar afetado uma criatura sedenta pela dor alheia.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 244


- Legion of Super-Heroes 9 (Julho de 1990)
.
Histórias:
.
* "Laurel's Story" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen e Paris Cullins

O psicopata Roxxas, procurando se entreter com um holovídeo, coincidentemente esbarra em um onde é contada toda a história de Laurel Gand, a mais poderosa legionária do momento.

As coincidências entre essa nova personagem e a Supermoça são mais intencionais do que se podia imaginar. Como agora a Legião atua em um universo remodelado, onde o Superboy, de fato, nunca existiu, seria natural substituir todos os acontecimentos envolvendo a Supermoça. Mas são justamente as similiaridades quem denunciam isso.

Como Mon-El agora pertence ao passado, sua presença também substitui o daxamita. Inclusive, um primeiro uniforme da personagem nada mais é do que a roupa do ex-legionário em uma versão feminina.

Assim como a Supermoça, a daxamita Laurel Gand passou sua infância com os pais em uma cidadela construída em um asteróide; ficou órfã muito cedo e foi mandada para um orfanato; também foi contatada por três legionárias para que seus poderes pudessem servir a Legião. Outros acontecimentos em comum incluem seu envolvimento com Brainiac 5.

Roxxas fica satisfeito com as informações que adquiriu, mas também descobre que o Governo da Terra ofereceu uma recompensa pela sua cabeça.

Os desenhos referentes a parte onde se conta a origem de Laurel Gand são feitos por Paris Cullins.
 

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 243


- Legion of Super-Heroes 8 (Junho de 1990)
.
Histórias:
.
* "The Origin of the Legion of Super-Heroes" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen e Chris Sprouse


A origem da Legião dos Super-Heróis é recontada com o detalhamento de alguns momentos importantes e também mudanças no que até então era conhecido.

Para entender essa reformulação é importante entender as manipulações temporais pelas quais o grupo passou recentemente. Lembramos que o até então falecido Mon-El ressucitou graças ao vilão Senhor do Tempo ter se escondido em sua mente e explicado que, caso fosse destruído, suas manipulações iriam impedir que a Legião fosse criada e o bruxo Mordru finalmente poderia conquistar o Universo.

Pois bem... Mon-El, mesmo com esse aviso, destrói o Senhor do tempo, o que levou a realidade a ser alterada para um universo onde o bruxo era o Imperador. Rond Vidar, único que se lembrava da realidade anterior e, portanto, apto a tentar reverter a mudança, contatou a esposa de Mordru, Glorith, para que essa realizasse um encantamento no qual traria o Senhor do Tempo (antigo mestre dela, inclusive) de volta e reestruturaria o universo ao que era anteriormente. Porém, havia um detalhe importante... se a realidade voltasse a ser como era, então como ficaria a situação do Mon-El? É a partir desse ponto que os detalhes da origem da Legião são transformados.

Nessa nova realidade, Mon-El agora foi jogado ao passado, para o século 20, onde atua como o super-herói conhecido como Valor. E foi Valor, do século 20, quem inspirou o milionário R.J. Brande a criar a Legião dos Super-Heróis através de seus três integrantes originais, Cósmico, Satúrnia e Relâmpago. (Nota: antes a criação do grupo havia sido inspirada pelo Superboy, que não mais existe).

Fora a salada temporal, é interessante vermos como o trio inicial da Legião, formado por adolescentes, era inexperiente e um tanto desastroso em suas primeiras missões. Financiados por Brande, seus uniformes iniciais causaram estranheza entre eles mesmos. Cósmico por exemplo, não se sentia muito a vontade em uma roupa onde predominava a cor rosa. Satúrnia não achava necessário que seus "nomes de guerra" viessem escritos nos próprios uniformes. Mas estavam sendo financiados, afinal... Vale lembrar que na década de 50, quando o grupo foi criado, esses berrantes uniformes eram aceitos devido aos inúmeros personagens com roupas tão berrantes quanto que surgiam nos quadrinhos. Também é divertido vermos as primeiras (e famosas) seleções de novos integrantes chocarem tanto o trio diante de pessoas com poderes tão diferentes.

Apesar de Keith Giffen ser responsável pela arte (e pelo roteiro), os desenhos que mostram o passado são feitos, em tom nostálgico, por Chris Sprouse.
 

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 242


- Legion of Super-Heroes 7 (Maio de 1990)
.
Histórias:
.
* "My Dinner With Tenzil: part 1" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen

O perigosíssimo Mordru dialoga com Cósmico (único legionário que não tem mais superpoderes) em um jantar onde o herói tenta convencer o ditador vilão a deixar seus amigos (inclusive os que estão em cativeiro) partirem.

Enquanto Cósmico e Mordru conversam, o grupo remanescente tem que lidar com uma poderosa criatura vampiro criada pelo bruxo para proteger seu castelo. Contam com a inesperada ajuda de Laurel Gand, uma daxamita pavio curto que usa sua superforça para enfrentar a criatura, além da Feiticeira Branca, escravizada pelo vilão e a quem eles foram resgatar. No meio da batalha, descobrem Rond Vidar, o Lanterna Verde do futuro, que está sendo torturado por Mordru.

O grupo que investiga o paradeiro de Roxxas ganha o apoio de Transmutador mas, antes de seguir nas investigações, o herói decide prestar as últimas homenagens a seu companheiro Bloko.

Interessante inserção de Laurel Gand no grupo, lembrando as antigas participações da Supermoça. De fato, seu visual e poderes não deixam dúvidas de que se trata de uma substituta para a heroína que havia sido morta na saga Crise nas Infinitas Terras.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 241


- Legion of Super-Heroes 6 (Abril de 1990)
.
Histórias:
.
* "The Last Days of Daxam" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen

O ex-legionário Solar, agora uma espécie de marionete do governo da Terra (que é controlado pelos alienígenas Domínions), contrata uma detetive particular para investigar o paradeiro do psicopata Roxxas, assassino de seu ex-colega Bloko. Apesar de iniciativa do legionário, os Domínions vêem uma vantagem na investigação, uma vez que a caçada a Roxxas tiraria um pouco de atenção sobre suas maquinações.

Enquanto isso, o grupo de legionários que tenta reunir o grupo novamente decide viajar até o Mundo dos Feiticeiros para solicitar ao vilanesco Mordru que liberte uma de suas ex-colegas, a Feiticeira Branca. Obviamente, o vilão não admite a intromissão dos heróis e os faz reviver seus piores pesadelos.

Dentre o grupo de legionários remanescentes há uma espécie de monstro peludo que descobrimos ser um antigo integrante: Lobo Cinzento!

As investigações sobre como encontrar Roxxas leva um grupo a ir até o mundo-cemitério de Trom procurar auxílio de um antigo inimigo do vilão: Jan Arrah, o legionário Transmutador, que agora vive exilado entre as lápides de seu povo.

domingo, 19 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 240


- Legion of Super-Heroes 5 (Março de 1990)
.
Histórias:
.
* "Proclamation" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen

Uma história da Legião dos Super-Heróis... SEM a Legião dos Super-Heróis!

Quando Mon-El destruiu o Senhor do Tempo a realidade foi alterada e o vilão bruxo Mordru agora é imperador de um universo que mais parece um sombrio mundo medieval. Com isso, praticamente todos os legionários estão mortos. A única lembrança de que eles existiam está na mente do jovem Rond Vidar. Curiosamente, Vidar tem essas lembranças porque era um gênio no que se diz respeito a viagem e manipulação temporal e sabe que algo está errado. Para provar suas teorias e consertar a realidade, conta com a ajuda da esposa do imperador, Glorith.

Glorith foi uma personagem das histórias da Legião dos Super-Heróis que não aparecia em décadas. Era uma espécie de parceira e aprendiz do Senhor do Tempo que durou pouco e foi apagada da existência. Nessa realidade, é a esposa de Mordru por pura ironia do destino. E é ela que, talvez para vingar seu antigo mestre, tenta um encantamento (lembrando que nessa realiade, a magia é dominante) para trazer o Senhor do Tempo de volta... nem que tenha que se tornar o próprio vilão.

A idéia, na verdade criada por Rond Vidar, parece falhar inicialmente, mas o universo começa a se transformar assim que o vilão Mordru desperta. E desperta tarde demais, pois todo o universo a sua volta está se dissolvendo.

O desenhista e escritor Keith Giffen já vem mantendo a quadrinização 3 x 3 por página (três quadros na horizontal por três na vertical) a meses. Mais que um estilo, é um exercício de criatividade sobre uma limitação imposta pelo próprio autor. Um momento brilhante dessa técnica é o resumo (em apenas uma página) onde não só ele mantém essa disposição, mas também deixa similar o próprio quadro, partindo de uma única cena onde se vê um círculo superior direito que em uma cena representa o planeta, em outro o sol, em outro um elemento de destaque narrativo... e assim por diante em 9 quadros diferentes. Tudo isso em um estilo de desenho parecido com vitrais para destacar o recordatório.
 

sábado, 18 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 239


- Legion of Super-Heroes 4 (Janeiro de 1990)
.
Histórias:
.
* "Titan in China Shop" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen

Mon-El era o legionário mais poderoso de todos e em todos os sentidos. Era uma espécie de Superman do futuro, tão evidente que seu uniforme nada mais é do que uma inversão de cores do uniforme do homem de aço, trazendo uma capa azul sobre uma roupa vermelha.

Durante as Guerras Místicas, última saga que terminou com o volume anterior da revista da Legião do Super-Heróis, Mon-El se encontrava gravemente ferido devido a seu ataque contra o vilão Senhor do Tempo. Desde então sua esposa, a legionária Penumbra, vagou o universo tentando encontrar uma cura de sua enfermidade. Quando as trevas da magia, decorrentes das Guerras Místicas, chegaram até sua nave e as máquinas que o mantinham vivo falharam... ele faleceu.

Nessa edição, Mon-El surge quase que milagrosamente e se encontra com uma boquiaberta Penumbra. Sua ressurreição, no entanto, traz um lado trágico e ameaçador. Quando destruíram o Senhor do Tempo, o vilão escolheu a mente de Mon-El para esconder sua essência e foi isso que o trouxe de volta. De certa forma, voltar a vida significava que o mais poderoso inimigo da Legião dos Super-Heróis também pudesse voltar... e se vingar daqueles que o tentaram destruir anteriormente.

Como se o impasse não fosse problema suficiente, Mon-El toma conhecimento que a própria existência do Senhor do Tempo era necessária para que uma Legião dos Super-Heróis surgisse. Afinal, através de manipulação temporal, o vilão influiu na criação de um universo compacto onde criou uma versão do Superboy no passado, que inspirou a criação do grupo. Se fosse destruído, isso faria com que ele também não existisse no passado, o que levaria a não ter criado o Superboy e, consequentemente, não haveria a inspiração inicial para a criação do grupo.

A necessidade de se existir um Senhor do Tempo também estava interligada a outro grande inimigo dos legionários. Afinal, foram essas manipulações que impediram que o bruxo Mordru dominasse o universo por milênios. Com o domínio temporário da magia sobre o universo, durante as Guerras Mística, a ameaça de Mordru se tornou mais evidente e o Senhor do Tempo, presente em todas as linhas temporais, impediu que ele pudesse dominar a tudo e a todos... inclusive o próprio Senhor do Tempo.

Mesmo assim, no final da edição, Mon-El decide dar um fim ao Senhor do Tempo... o que pode ter trazido consequências inesperadas para a existência.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 238


- Legion of Super-Heroes 3 (Janeiro de 1990)
.
Histórias:
.
* "Roxxas" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen

A impressão que se tem é que, num momento de fragilidade da Legião, onde todos os integrantes estão debandados por planetas decadentes, há uma reunião dos mais perigosos inimigos do grupo. Até que ponto essas coincidências fazem parte dos acontecimentos (tal qual uma grande conspiração) é a grande sacada a se descobrir nas edições seguintes.

Aqui vemos a morte de um tradicional legionário, Bloko, que é morto pelo pirata Roxxas. Para se ter idéia da crueldade e selvageria desse vilão, basta lembrar que ele foi responsável pela morte de todos os habitantes do planeta natal de Transmutador.

Roxxas encontra Bloko em uma espécie de hibernação onde, graças a sua forma rochosa, se confunde com as pedras de um planetóide. Aproveitando-se desse descanso o vilão destrói o legionário e manda seus pedaços (literalmente) para Relâmpago, como forma de recado sobre o que acontecerá com a Legião, caso se reúnam novamente.

Apesar de Bloko ser feito inteiramente de pedra, ver seus pedaços é algo perturbador, talvez pelo fato do grotesco personagem ser tão carismático e ter lá sua cota de fãs. A própria escolha do vilão que o executou torna-se uma espécie de piada de humor negro. Afinal, Roxxas remete a rocha ou mesmo "rock" em inglês.

Outro conhecido dos legionário, Rond Vidar, agora um Lanterna Verde, é torturado pelo vilão Mordru. Este, um dos inimigos mais temidos pelos legionários, é tão poderoso que simplesmente destrói o anel do Lanterna com suas próprias mãos.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 237


- Legion of Super-Heroes 2 (Dezembro de 1989)
.
Histórias:
.
* "Glitter" - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen

Além dos legionários estarem debandados, isoladamente sofrem ataques de inimigos que querem vê-los eliminados de uma vez por todas.

Nessa edição, Ultra Rapaz é atacado por dois andróides que não poupam nem mesmo a vida de inocentes (no mundo decadente em que agora vive) para eliminá-lo. Com seus poderes, no entanto, o legionário consegue destruí-los e ainda encontrar uma pista que o levará ao encontro de seus ex-colegas.
 

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 236


- Legion of Super-Heroes 1 (Novembro de 1989)
.
Histórias:
.
* "Five Years Later..." - Escrita por Keith Giffen, Mary Bierbaum, Tom Bierbaum, Al Gordon, desenhada por Keith Giffen

Cinco anos se passaram desde que as Guerras Místicas terminaram. É bom lembrar que, durante essa batalha, tudo que era conhecido como sendo "ciência" foi substituído pela magia. Mesmo com a Legião derrotando o vilão responsável pelo evento, o trauma que isso causou aos planetas foi irreversível. Afinal, era o futuro onde a tecnologia predominava e era vital para a sobrevivência de muitas civilização. Acabar com isso era podar os mais essenciais recursos com os quais se podia sobreviver.

A situação não era nada boa. Muitos planetas, mesmo com suas estruturas futuristas, mais pareciam grandes cortiços onde seus habitantes se viravam como podiam, longe do luxo tecnológico de outrora. Raças ditatoriais, como os Domínions, viram esse cenário como favorável para conquistar seu espaço. Um exemplo gritante é que a própria Terra era controlada por esses vilanescos alienígenas.

E a Legião, onde estaria? Traumatizada com os acontecimentos dos últimos cinco anos, já não se via o mesmo brilho dos heróis pelo universo. Fragmentados e depressivos, os integrantes se isolaram como puderam e viveram suas vidas. A Legião dos Super-Heróis já não existia mais.

Mas eis que um último legionário, o Camaleão, decide revitalizar seu antigo grupo e começa recrutando aquele que é o símbolo da Legião: Cósmico. Vivendo em seu planeta natal, Braal, juntamente com a heroína Noturna, agora sua esposa grávida, Cósmico leva uma vida comum e nem mesmo tem seus poderes. Ainda assim, Camaleão não o procura por suas capacidades, mas pelo que ele representa.

Interessante reinício da série, dirigida agora por Keith Giffen, que ousadamente divide os roteiros com o casal Mary e Tom Bierbaum, que até então eram fãs da série. Um nova fase polêmica ao extremo, adorada por uns (principalmente quem tem conhecimentos avançados sobre os personagens) e odiados por outros (devido a algumas reviravoltas impactantes e consideradas desnecessárias).

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 235


- Legion of Super-Heroes 63 (Agosto de 1989)
.
Histórias:
.
* "The Magic Wars, Part 4: Where Has All The Magic Gone?" - Escrita por Paul Levitz e Keith Giffen, desenhada por Keith Giffen
> Publicado no Brasil na revista Super-Homem nº 98, em Agosto de 1992, pela Editora Abril


As Guerras Místicas - Parte 4

O final apocalíptico das Guerras Místicas, do Mundo dos Feiticeiros... e da revista da Legião!

Os legionários enfrentam seu novo e gigantesco inimigo, conhecido como Arquimago, que tenciona acabar com toda a ciência e substituí-la pela magia no Universo.

No Mundo dos Feiticeiros, o grupo encontra a única capaz de enfrentar o Arquimago de igual para igual, a Feiticeira Branca. Outra surpresa também é a volta de Brainiac 5, que até então estava em um auto-exílio após ajudar a derrotar do Mestre do Tempo.

O Arquimago literalmente destrói o planeta inteiro do Mundo dos Feiticeiros mas, com isso, acaba destruindo sua própria fonte de poder, sendo, desta forma, derrotado pelo truque astuto da Feiticeira. Uma curiosidade: o espírito do Mundo dos Feiticeiros, que dá a dica da vitória a legionária, é a antiga (e obscura) personagem conhecida como Ametista, Princesa do Mundo de Cristal, o que dá idéia que a personagem, antes uma adolescente que se aventurava em um mundo de magia, evoluiu até se tornar a guardiã daquele planeta.

Com essa edição, encerra-se a revista da Legião, deixando-os por alguns meses sem aparecer nos quadrinhos. No entanto, esse "fim" foi algo arquitetado por Giffen, que já tinha planejado uma nova revista para o grupo, que é o volume que abordaremos a seguir.
 

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 234


- Legion of Super-Heroes 62 (Julho de 1989)
.
Histórias:
.
* "The Magic Wars, Part 2: Why Must Magic Triumph?" - Escrita por Paul Levitz e Keith Giffen, desenhada por Keith Giffen
> Publicado no Brasil na revista Super-Homem nº 97, em Julho de 1992, pela Editora Abril


As Guerras Místicas - Parte 3

Os legionários atravessam o espaço em direção ao Mundo dos Feiticeiros onde pode haver a resposta sobre o domínio da magia sobre a ciência (e onde também se encontra a legionária mais adequada para cuidar dessa crise, a Feiticeira Branca). No caminho, a magia se mostra cada vez mais poderosa preenchendo o que seria o vazio do espaço com enormes teias de aranhas igualmente enormes.

Após ultrapassar as barreiras impostas por novas regras que vão contra a natureza científica, os legionários chegam ao Mundo dos Feiticeiros apenas para descobrir que o planeta inteiro está envolto em uma espécie de redoma de metal lacrada e que só pode ser aberta através de uma enorme fechadura.

Sensora descobre que a fechadura é acessada através do sacrifício de uma vida. Só assim terão acesso ao Mundo dos Feiticeiros. Enquanto decidem o que fazer, o Rapaz Magnético, irmão caçula de Cósmico e mais jovem legionário, decide partir em direção a fechadura... e sacrifica a própria vida.

Diante da morte de um colega, os legionários vêem a redoma de metal se abrir e o Mundo dos Feiticeiros se mostrar... dominado por um sombrio e gigantesco inimigo.

Continua...

sábado, 11 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 233


- Legion of Super-Heroes 61 (Junho de 1989)
.
Histórias:
.
* "The Magic Wars, Part 2: Will Magic Or Science Prevail?" - Escrita por Paul Levitz e Keith Giffen, desenhada por Keith Giffen
> Publicado no Brasil na revista Super-Homem nº 96, em Junho de 1992, pela Editora Abril


As Guerras Místicas - Parte 2

O mundo continua a mergulhar no caos devido a invasão dos poderes místicos. Mais do que isso, a anulação de toda a ciência vem causando mais estragos do que essa inversão. Lares controlados tecnologicamente, tráfego aéreo e até mesmo fornecimento de luz e água estão em colapso causando mais pânico no planeta.

Sensora, atual líder da Legião dos Super-Heróis, mostra sua parte Princesa, onde tem mais conhecimento sobre magia e faz o possível para... ganhar tempo. Até mesmo invocar os mortos, onde entra em contato com legionários falecidos (inclusive seu marido, Marcial) é utilizado como tentativa de sair dessa situação. No entanto, ao fazer isso, o Olho de Ekrom, arma da falecida vilã Imperatriz Esmeralda, ataca Sensora como vingança pela heroína ter sido responsável por sua morte. Enquanto isso, o mal avança não só pelo planeta... mas por todo o Universo.

Continua...
 

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 232


- Legion of Super-Heroes 60 (Maio de 1989)
.
Histórias:
.
* "The Magic Wars, Part 1: When Magic Shall Return" - Escrita por Paul Levitz e Keith Giffen, desenhada por Keith Giffen
> Publicado no Brasil na revista Super-Homem nº 95, em Maio de 1992, pela Editora Abril


As Guerras Místicas - Parte 1

É o fim do mandato de Polar como líder da Legião dos Super-Heróis. E a nova líder é... Sensora! Mas a heroína, que acaba de passar pelo trauma de ter matado, sem intenção, a vilã Imperatriz Esmeralda, parece não estar tão interessada na nova responsabilidade. Já o vice líder eleito, Lobo Cinzento, parece estar mais animado e interessado em tomar decisões importantes.

Decisões importantes, inclusive, serão cruciais quando o mundo parece ter enlouquecido. Criaturas mitológicas estão surgindo por toda a parte e até mesmo o clima parece ter enlouquecido. É o início das Guerras Místicas.

Sensora recebe uma mensagem mística informando que todas as leis regidas pela ciência irão desaparecer ou ficar sem sentido. Em seu lugar, prevalecerão as regras impostas pela magia, que está voltando ao universo. Algo estranho em se tratando de um mundo futurista onde a ciência e tecnologia parecem ser soberanas.

Apesar da presença do artefinalista Al Gordon, seu estilo caricato parece não influenciar os desenhos de Keith Giffen aqui. Verdade seja dita, seu nome parece estar apenas nos créditos, mal dá pra acreditar que ele, de fato, tenha finalizado um quadro sequer. Para acentuar ainda mais isso, Giffen volta a seu traço mais estilizado, inclusive desenhando uma das criaturas místicas com um detalhe que virou sua marca até em outras revistas: um enorme sorriso voador que assombra os heróis. Além disso, o desenhista também usa uma quadrinização de 3 x 3 quadros iguais em quase todas as páginas, outra característica de seu trabalho nesse período.

Continua...
 

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 231


- Legion of Super-Heroes 59 (Abril de 1989)
.
Histórias:
.
* "Ghosts In The Clubhouse" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por Mark D. Bright e Keith Giffen
O Rapaz Invisível se questiona sobre seu valor dentro da Legião dos Super-Heróis e se está honrando o nome que carrega. Filosofando sobre sua importância, prefere ficar sozinho na sala onde estão as estátuas dos legionários mortos em combate.

Logo em seguida um flashback mostra o antigo Rapaz Invisível investigando uma possível invasão da sede do grupo. Não encontra evidências disso mas acontecimentos estranhos (como objetos que caem e sons estranhos), mostram que há algo de anormal acontecendo. Perto da mesma sala onde estão as estátuas, o herói chega a acreditar que são fantasmas.

Parte do mistério é resolvido quando descobre que um jovem pretendente a legionário, conhecido como Químico, está envolvido na investigação, paralelamente, e que ele tem causado os estranhos barulhos.

Mas isso não é tudo, de fato, um invasor está no local e os dois o acabam encontrando. Na verdade acabam sob a mira do ladrão, mas este é distraído por um forte som vindo da sala das estátuas. A distração é crucial para que os heróis consigam vencê-lo.

O caso está resolvido mas... que barulho foi aquele que distraiu o invasor? Parecia com uma tonelada de ferro caindo. Na sala de estátuas, encontra-se a do legionário Ferro, que era capaz de tornar seu corpo metálico e sacrificou-se para salvar a Terra, caída no chão, o que explicaria o som que ouviram. "Explicaria" se a estátua não fosse feita de uma espécie de plástico, que jamais teria emitido aquele barulho. Teria o legionário morto, Ferro, de alguma forma auxiliado seus companheiros? Isso nunca o Rapaz Invisível (nem os leitores) iria saber.

O mais curioso dessa "história de fantasmas", é que, além de Ferro, o Rapaz Invisível e até o novato Químico perderam a vida mais adiante, o que nos leva de volta até a sala de estátuas, onde estão a de todos esses legionários citados... e onde o atual Rapaz Invisível se pergunta sobre sua importância.

As cenas onde são mostradas as lembranças do passado são desenhadas por Mark D. Bright. Há um curioso detalhe quanto a sua participação. A marca e até mesmo as cores utilizadas no uniforme do invasor, em muito lembram o herói Homem de Ferro, pertencente a editora concorrente, a Marvel Comics, e com o qual o desenhista já havia trabalhado. Curioso mas, sem sombra de dúvida, não é nenhum mistério...

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 230


- Legion of Super-Heroes 58 (Março de 1989)
.
Histórias:
.
* "If Thine Eye Offend Thee" - Escrita por Paul Levitz e Keith Giffen, desenhada por Keith Giffen
> Publicado no Brasil na revista DC 2000 nº 24, em Dezembro de 1991, pela Editora Abril


Mesmo cercada pelos legionários, a Imperatriz Esmeralda consegue subjugá-los e fugir para o planeta Trom, mundo natal de Transmutador. Este planeta viu todos os seus habitantes serem mortos por piratas espaciais, servindo agora de cemitério em lembranças a eles e tendo o próprio Transmutador seu último sobrevivente.

Em Trom, a vilã é atacada por outro grupo de legionários mas, mesmo sofrendo lesões graves, consegue sobreviver e aumentar ainda mais sua fúria em combate. Curiosamente, ela amaldiçoa o Olho de Ekrom, arma/objeto que lhe dá poder e lhe protege, pela sua condição de dor eterna.

O legionário Quislet, após tentar dominar o Olho, vê sua nave/corpo ser destruída e é obrigado a deixar a dimensão. O problema é que ele é um ser feito de energia e consegue sobreviver apenas se contido dentro desta nave. Com a destruição dela, é obrigado a retornar a sua dimensão natal, onde provavelmente será destruído por seus iguais, que o consideram um traidor. Dessa forma (um tanto banal dentro do roteiro), os legionários vêem o fim de um de seus membros.

A Imperatriz foge e se encontra com a legionária Sensora (ex-Princesa Projectra), que parece estar esperando-a como se o momento fosse uma espécie de profecia. A heroína também mostra saber mais sobre o Olho e sua maldição do que aparenta. Munida desse conhecimento, ao invés de atacar a já ferida vilã, encerra o domínio do artefato sobre ela. Mas, diante de seus surpresos olhos, vê a Imperatriz Esmeralda se desfazer em cinzas e morrer.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 229


- Legion of Super-Heroes 57 (Fevereiro de 1989)
.
Histórias:
.
* "Under A Watchful Eye" - Escrita por Paul Levitz e Keith Giffen, desenhada por Keith Giffen
> Publicado no Brasil na revista DC 2000 nº 23, em Novembro de 1991, pela Editora Abril


Após sua fuga da penitenciária Labirinto, a vilã Imperatriz Esmeralda reaparece muito mais sádica e violenta do que os legionários estão acostumados a ver. Ela se mostra obsessiva em encontrar o segredo para a imortalidade e não poupa nem mesmo seus asseclas de sua fúria para alcançar esse objetivo.

Inicialmente enfrentando apenas o Rapaz Invisível, a Imperatriz acaba se deparando com um grupo de legionários e se mostra poderosa o suficiente para derrotá-los. Como último trunfo, captura o líder, Polar, e ameaça matá-lo caso continue sendo perseguida.

Aqui a vilã, além da personalidade mais sádica, também recebe um tratamento visual muito parecido com o que foi dado aos uniformes dos heróis, trazendo uma vestimenta geométrica e mais simples, mas nem por isso menos imponente. Um detalhe importante acrescentado a mitologia da vilã é que ela declara que gostaria de destruir o Olho Esmeralda, artefato que serve como uma espécie de guarda costas energético dela, dando a entender que não está na condição de controladora por vontade própria.

A arte de Giffen tem o diferencial dos personagens apresentarem caras e bocas caricatas, mas isso também é mérito do arte-finalista Al Gordon, parceiro do desenhista Kevin Maguire, que fazia essas caretas nas páginas das histórias da Liga da Justiça, a qual Giffen também pertencia a equipe criativa.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 228


- Legion of Super-Heroes 56 (Janeiro de 1989)
.
Histórias:
.
* "By Hope Ensnared" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por Eduardo Barreto
> Publicado no Brasil na revista DC 2000 nº 21, em Setembro de 1991, pela Editora Abril

Penumbra ainda tenta salvar a vida de Mon-El, após este ter se ferido gravemente durante a batalha com o Senhor do Tempo. Mas acaba caindo nas mãos de sequestradores que querem destruir os legionários. Coincidentemente, esses mesmos sequestradores haviam pego o legionário Bloko, que os encontra e, unindo sua força descomunal, os auxilia a fugir do cativeiro e intimidar os vilões.

Após a vitória do trio de heróis, Penumbra e Mon-El são teletransportados para um centro médico de verdade e Bloko, com seu corpo rochoso agora alterado, consegue ver caminho de volta para a sede da Legião.

O desenhista convidado desta edição é o uruguaio Eduardo Barreto.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 227


- Legion of Super-Heroes 55 (Dezembro de 1988)
.
Histórias:
.
* "Different Paths" - Escrita por Paul Levitz e Keith Giffen, desenhada por Ernie Colón, José Luis García-López, Keith Giffen e Erik Larsen

Com tantos personagens envolvidos na Legião dos Super-Heróis, é natural que um leitor esqueça um personagem ou outro. Mas não TODOS os leitores, uma vez que cada um pode ter o seu legionário favorito. Essa edição mostra o destino de quatro deles que estão fora das grandes missões e, em alguns casos, até mesmo fora da Legião.

O destino da Feiticeira Branca (com desenhos inspirados de Ernie Colón) está no Mundo dos Bruxos, onde ela aprendeu artes místicas. Diferente da aluna de outrora, a legionária agora tem a difícil missão de ensinar.

Brainiac 5 (desenhado por Keith Giffen) voltou para o seu mundo natal, mas já sente falta de seus companheiros.

Sonhadora (desenhadda por Garcia-López) vive um pseudo-romance com o herói xanturiano Atmos. Ambos passam por uma saia justa quando voltam para o planeta dele, apenas para se deparar com o herói daquele planeta, Ástron, antigo (e verdadeiro) amor dela.

Bloko (desenhado por Erik Larsen) passa por mudanças em seu corpo rochoso e parece ter encontrado alguém que pode orientá-lo. Alguém que pode não ter intenções tão nobres quanto parece.