sexta-feira, 13 de novembro de 2009

THOR - Parte 140

- Thor: Son of Asgard 1 a 6 (Maio a Setembro de 2004)

Histórias:

* "The Warriors Teen: Parts 1 a 6" - Escrita por Akira Yoshida e desenhada por Greg Tocchini

Filho de Asgard.

Pra quem está cansado do clima sombrio da fase escrita por Dan Jurgens, essa série é uma boa pedida. E, não, dessa vez não existe radicalizações surpresa como a feita por Garth Ennis. Na verdade, trata-se de um roteiro até simplório. Três jovens amigos saem pelo mundo em busca de artefatos e enfrentam perigos fantásticos, além de descobrirem um pouco mais um sobre o outro, aumentando ainda mais seus laços de amizade. Tudo isso com direito a um final onde os três são peças importantes para derrotar o misterioso vilão que os segue durante o percurso. Sim, parece história de Sessão da Tarde... mas funciona perfeitamente no que se propõe.

A equipe criativa da série não podia ser mais incomum: o escritor japonês Akira Yoshida e o desenhista brasileiro Greg Tocchini (nome artístico de Eduardo Gregório), conseguem dar um ritmo cinematográfico a aventura, que mais parece um storyboard para longa metragem juvenil.

Os jovens abordados são Thor, Lady Sif e Balder, seguidos sorrateiramente por um igualmente jovem Loki. Os três amigos, que mostram os primeiros sinais de bravura, são incumbidos pelo próprio Odin para capturar quatro elementos mágicos, que formarão a essência de uma nova e indestrutível espada. No meio do caminho enfrentam dragões, duendes de gelo, criaturas da areia e monstros de pedra, além de descobrirem suas próprias diferenças de personalidade.

Thor tenta se destacar como o principal protagonista da história, e é justamente essa "arrogância" abordada entre os três. Ele não age exatamente como um príncipe, mas como o filho do rei que, por esse motivo, se vê no direito de ditar ordens e decidir os rumos a serem seguidos. Lady Sif tenta se destacar como a mais cabeça quente do grupo, tentando desfazer a imagem de donzela indefesa apenas por ser mulher. Balder é o amigo sensato, mas quase ingênuo, que tenta dar certo equilíbrio a mistura. Loki, por sua vez, tenta atrapalhar a missão do trio, mas esbarra em um problema bem maior do que qualquer um que ele poderia inflingir.

Ao final da odisséia em busca dos artefatos, os amigos retornam a Asgard, apenas para descobrirem um violento ataque por parte da bruxa Karnilla. Sendo a verdadeira vilã da história, Karnilla é mostrada como sendo uma personagem extremamente cruel, a ponto de rivalizar com a experiência de Odin. Essa imagem a distancia da mulher apaixonada por Balder (quando adulto), mostrando a verdadeira face de sua maldade.

E por falar em Balder, é ele quem oferece a própria vida para salvar a de (quem diria) Loki. Atitude que desequilibra a bruxa e a faz desistir de seu ataque (ou um gancho para que ela nutra sentimentos que se definirão no futuro como uma paixão doentia pelo jovem guerreiro). Com os quatro elementos colhidos, um milagre "romantizado" no final que salva a vida de Thor (gravemente ferido durante a batalha) e direito a um final festivo, vemos a tal espada sendo entregue ao bravo Balder, por ensinar a todos que, apesar da coragem e força dos asgardianos, é a compaixão que deve guiar um guerreiro em momentos de impasse.
*

Nenhum comentário: